Nesta sexta-feira, 25, o site do jornal carioca Extra divulgou cenas da vida cotidiana moderna. Elas exibem um homem de camisa vermelha brigando com dezenas de pessoas por um desconhecido. Seu objetivo, de acordo com o jornal, é salvar o menino de dezesseis anos que ali estava a apanhar. Tudo acontecia em uma via movimentada do Centro de Teresina, no Piauí, durante o dia. O garoto, que não teve o nome identificado, chora muito por estar apanhando e pede para parar de apanhar. O jovem ainda reclama de dor. O tal homem, que não seria conhecido do menino, então o abraça e tira ele dali, impedindo que novas agressões o atinjam.

A situação ganhou repercussão nacional e dividiu o público na internet.

Publicidade
Publicidade

Algumas pessoas apoiaram o homem, enquanto outras disseram que isso apenas faria com que novos meliantes iniciassem novos roubos. Em contato com a assessoria da polícia civil piauiense, o Extra descobriu que o menor confessou que se aproveitou de uma funcionária de um restaurante. Ele pegou o aparelho da moça e saiu correndo, mas populares o alcançaram de batem muito nele. A situação poderia acabar mal. Não é tão incomum pessoas que acabam sendo mortas por populares revoltados. Lembramos que, mesmo com toda a revolta, esse tipo de ação é considerada #Crime pela legislação brasileira.

Então, caso algo do tipo aconteça com você, o mais correto é esperar que agentes da lei façam a detenção do jovem e o encaminhem para o juizado de menores. Muita gente não concorda com nossa legislação e argumenta que ela precisa ser mudada.

Publicidade

É discutido, inclusive, a mudança da maioridade penal. Em quase três minutos de vídeo, o clima oscila entre momentos mais calmos e de intensa agressividade, o que demonstra como as pessoas estão descrentes com as autoridades. Uma mulher clama por Deus, mandando as pessoas pararem.

Outro homem pede para pararem, mas não separa o linchamento, provavelmente com medo de apanhar. Ele argumenta que esse tipo de atitude não resolveria os problemas de nossa sociedade. #Investigação Criminal