Um assassinato foi registrado por voltas das 10h da noite de segunda-feira (7), na rua Maceió, no bairro Nova Esperança, na cidade de Peixoto de Azevedo, cerca de 190 km de Sinop (MT). A vítima foi identificada como Maria Juraci Bernardino do Nascimento, 37 anos. O principal suspeito é o ex-marido da vítima, que encontrar-se foragido da Justiça.   

De acordo com informações repassadas por um policial da Polícia Militar, à vítima estava dentro de sua casa quando o seu ex-marido, identificado como José Mariano Bernardino da Silva, 44 anos, chamou ela para o lado de fora. Quando Maria Juraci saiu, o suspeito desferiu um golpe de faca em seu pescoço.

Publicidade
Publicidade

Logo após esfaquear a ex-esposa, o indivíduo fugiu do local e entrou em uma mata que fica próxima da casa da vítima.   

Segundo uma vizinha da vítima, ela viu quando o ex-marido atacou a ex-esposa com uma facada, que morreu antes do socorro chegar. O Corpo de Bombeiros foi acionado, quando chegaram ao local informado, não puderam fazer nada, a vítima já estava sem vida. De acordo com testemunhas, a vítima e o acusado já estavam separados a cerca de cinco anos, e durante esse período eles tiveram quatro filhos. Ainda segundo testemunhas, a vítima era agredida e ameaçada de #Morte constantemente pelo ex-marido. Maria Juraci já tinha feito vários boletins de ocorrência na polícia contro o suspeito.  

A polícia suspeita que o #Crime ocorreu logo após o acusado ter visto uma foto da vítima no Facebook com o novo namorado. Por ciúmes, ele foi até a casa de ex-mulher e a atacou.

Publicidade

Uma equipe da Polícia Militar esteve na cena do crime e fizeram buscas na região, mas o acusado não foi localizado.   

O corpo da vítima foi recolhido e encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Peixoto de Azevedo, passou por exames de necropsia e logo após foi liberado para os familiares para o sepultamento. A polícia abriu um inquérito e o caso segue sendo investigado. Até o fechamento desta matéria, o suspeito de matar a ex-mulher não foi localizado pelos policiais.    #Casos de polícia