A notícia dessa manhã de quinta-feira (24) não deve agradar a nenhum sergipano, pois segundo o Ministério da Saúde, após realização de pesquisas larvárias pelos agentes de endemias, em quase 40 cidades onde o índice de infestação é variado, seis delas foram consideradas de alto risco, podendo ocorrer o surto da doença a qualquer momento. Na estatística soma-se que 23 estão em situação de observação e 10 estão com o índice considerado satisfatório, segundo o LIRAa (Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti).

Segundo informações do portal Sou de Sergipe, as cidades que se apresentam com índice elevados de alto risco, e preocupam o Ministério da Saúde, são: Pedrinhas (5,4), Itabaiana (5,2), Feira Nova (4,9), Simão Dias (4,4), Nossa Senhora da Glória (4) e a cidade de Tobias Barreto (4).

Publicidade
Publicidade

O município de Aracaju se apresenta como um dos municípios que devem ficar em alerta, seu índice de 1,2 a deixa entre as capitais brasileiras anda na mesma linha. Outros dois municípios surpreenderam ao registrar índice zero no Levantamento Rápido de Índices para LIRAa. Foram eles Malhador e Pirambu, finalizando a pesquisa dentro do índice favorável.

No país, a prevalência dessa doença é constatada em mais de 855 municípios, e de acordo com a verificação do Ministério Público, todos estão em situação de alerta a surto da #Dengue, seguida da chikungunya e Zika. Os índices correspondem ao percentual de 37,4% das cidades onde foi realizada a pesquisa larvária, enquanto o restante que chega a casa dos 62,8% dos municípios mantêm-se com índice agradável.

O Ministério da Saúde informa que os 3.704 municípios prontos a serem verificados pelo Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa) referem-se as localidades com mais de 2 mil imóveis, no total de 62,6%, ou seja 2.284 serão inspecionadas ainda em 2016.

Publicidade

Em relação ao ano anterior, ocorreu um aumento de 27,3% na entrada de cidades na relação de fiscalização com o LIRAa, processo esse acontece nos meses de outubro e novembro deste ano, buscando a intervenção do aparecimento do mosquito Aedes aegypti em grande escala em todo país.

Com a reunião dos dados de cada pesquisa, o administrador poderá conhecer os locais mais recorrentes das larvas e viabilizar medidas de controle e eliminação dos possíveis depósitos, orientando toda comunidade no combate ao mosquito Aedes aegypti. Sendo que a causa é um problema de todos necessitando uma conscientização de todos os órgãos municipais.

Com isso, o Ministro da Saúde, o senhor Ricardo Barros, colocará em pauta a proposta de que a participação na coleta de informações em cidades com mais de 2000 imóveis tenha caráter obrigatório, no próximo ano, e apresentou sua proposta na reunião da comissão de intergestores tripartite (CIT), onde estarão presentes os representantes dos estados, da União e dos municípios, que acontecerá no dia 8 do próximo mês. #sistema de saúde #Zika Vírus