A polícia prendeu Michel Pierri Cintra, o dono do e-commerce Pank, investigado por fraudar consumidores online em mais de R$ 250 milhões. De acordo com suspeitas do Ministério Público, Michel, que estava foragido, pretendia escapar da Justiça brasileira viajando para o Chile.

O empresário foi detido na madrugada desta segunda-feira (31), na BR-369, altura do município paranaense de Ubiratã, por agentes da Polícia Federal. Ele viajava em um ônibus com destino a Foz do Iguaçu, também no Paraná. Ao lado de sua mulher, ele responde a denúncia de golpes na web há um ano e dois meses. A Polícia Rodoviária abordou o ônibus interestadual e comunicou à Polícia Federal a presença do empresário, que apresentou um documento de identidade falso.

Publicidade
Publicidade

Oriundo de Ribeirão Preto, no interior paulista, o acusado estava escondido em uma residência no bairro paulistano Morumbi desde fevereiro, segundo o MP. Ainda de acordo com os promotores que atuam no caso, em conjunto com a PF, Michel tinha escolhido a capital chilena Santiago como futuro endereço. O MP informou que ele teria inclusive alugado um imóvel na cidade, para onde iria depois de passar pelo Paraguai.

A defesa do empresário não se pronunciou até o momento e diz estar aguardando o acesso aos autos da prisão para emitir um posicionamento oficial. Sua mulher, Viviane Boffi, não estava com ele.

Acusação de fraude

Segundo as investigações, as fraudes ocorriam porque internautas que compravam os produtos não recebiam os itens, ou recebiam produtos semelhantes e mais baratos, de procedência paraguaia.

Publicidade

Pelo menos 198 pessoas foram listadas como vítimas no processo. Entretanto, a estimativa é que o esquema pode ter feito mais de 80 mil vítimas no Brasil até 2013.

Há indícios, ainda em investigação, de que o mesmo esquema de venda via #Internet estaria sendo aplicado por Michel em páginas hospedadas em outros países.

Com a suposta tentativa de fuga a situação do empresário se complica, já que agora ele também responderá por falsidade ideológica e uso de documento falso. Além disso, a tese de que ele praticou os crimes de formação de quadrilha eorganização criminosa ficam mais reforçadas. E há ainda, no rol de ilícitos apontados, o #Crime contra a relação de consumo e lavagem de dinheiro.

#Casos de polícia