Uma mulher foi presa no início da noite de segunda-feira (31), no Jardim das Américas, em Anápolis (GO). A mulher é acusada de ter abortado seu próprio filho e tê-lo jogado numa mata. A mulher foi identificada como Késia Alves de Souza, de apenas 18 anos. A jovem encontra-se presa. De acordo com a Polícia Militar, a jovem relata num vídeo gravado pelos policiais que não tinha nenhuma condição financeira e nem psicológica para cuidar do bebê, por isso ela achou melhor ter abortado e desovado o corpo numa mata.

Entenda o caso:

Um cadáver de um bebê já formado foi localizado num matagal no domingo (30), em Anápolis. O caso deixou moradores e policiais revoltados com tanta crueldade.

Publicidade
Publicidade

Um dia após ser encontrado o corpo do bebê, a Polícia Militar conseguiu prender a autora do #Crime em seu depoimento, ela confessou aos policiais ter abortado seu próprio filho. O cadáver da criança encontrada na mata, de acordo com a suspeita, já estava com oito meses de gestação.

Segundo o coronel Urzeda, comandante da Polícia Militar em Anápolis, "O crime causou uma grande comoção na cidade e determinei que os policiais conversassem com moradores da região, para tentar identificar o suspeito ou suspeita do crime bárbaro. Graças a Deus que no finalzinho da tarde nós encontramos a autora do assassinato e, com muita frieza, ela confessou que matou seu próprio filho sem nenhum remorso", relatou Urzeda. 

De acordo com a Polícia Militar, Késia Alves, num vídeo gravado pela polícia, da detalhes de com conseguiu abortar a criança.

Publicidade

Segundo Késia, ela conseguiu tirar o bebê após ter começado a tomar medicamentos no dia 24 de outubro, e logo após ela ter cometido o #aborto. deixou o corpo bebê no matagal. A acusada relata que decidiu assassinar a criança porque ela não tinha condição financeira e nem psicológica para cuidar dele, porque ela é mãe solteira.

Como a procura pelo autor do crime começou logo após ter encontrado o feto, a acusada foi presa em flagrante pela Central de Flagrantes de Anápolis. A suspeita encontra-se presa na cadeia de Anápolis e está a disposição da Justiça para tomar todas as medidas cabíveis dentro da lei. Ser for condenada, a acusada pode pegar uma pena de dois a seis anos de cadeia. #Casos de polícia