Sequestrada por um rapaz de 26 anos, jovem de 22 anos de idade fugiu do cativeiro no qual foi mantida por um dia. O fato ocorreu nesta sexta-feira (25), no interior de Goiás, no município de Águas Lindas de Goiás.

De acordo com a polícia, o homem a teria obrigado tirar a roupa para fazer algumas fotos, mas o criminoso armado teria pego no sono, facilitando assim sua fuga. Mesmo despida, a jovem escapou e entrou em contato com a polícia.

De acordo com o delegado responsável, o sequestro ocorreu um dia antes, na quinta-feira (24). A moça saiu de Taguatinga, região administrativa do Distrito Federal, com uma colega para cometer um golpe no dia anterior.

Publicidade
Publicidade

Em busca de dinheiro fácil, as jovens encontraram o rapaz que ajudaria no golpe e que haviam conhecido pela internet (em redes sociais) em um posto de combustíveis. Mas ele as obrigou entrar no carro mostrando uma arma.

As duas moças foram levadas á casa do rapaz, mas algum tempo depois, a outra moça foi levada dali por outros dois homens. Nesse momento, o homem forçou a mulher que havia ali permanecido a tirar a roupa para fotografá-la. As imagens seriam enviadas para colegas do rapaz que estavam na cadeia.

À polícia, a moça declarou que dormiu a noite toda pelada junto ao homem de maneira compulsória. Mas ela nega ter tido relações sexuais com o suspeito. Ela contou que ao acordar, percebeu que o rapaz ainda estava dormindo e aproveitou para fugir.

A jovem teria fugido sem roupa pelo telhado, entrando em uma casa vizinha e solicitando ajuda aos moradores.

Publicidade

O suspeito tem outra versão

O homem nega que tenha obrigado a moça fazer qualquer coisa. De acordo com ele, ela estava lá por livre e espontânea vontade. Além disso, ele afirma que o revólver calibre 38, que estava com a numeração raspada, encontrado no local não pertence a ele. O celular com as imagens da jovem nua foi encontrado no local.

O restante dos envolvidos ainda não foi encontrado. Já o suspeito responderá por sequestro e posse de arma de fogo de utilização restrita, podendo pegar até 11 anos de prisão. #Crime #Casos de polícia