A Justiça do #Rio de Janeiro está suspeitando do médico Marcial Raul Uribe, que cuida do ex-governador Anthony #garotinho, internado em um hospital privado da capital fluminense, o Quinta D’Or, após passar mal e precisar ser submetido a um cateterismo.

Garotinho foi preso pela Polícia Federal no último dia 16, na Operação Chequinho, que investiga o uso do programa Cheque Cidadão, do município de Campos, para obter apoio eleitoral.

Diante da suspeita em relação ao médico, uma equipe de peritos do Grupo de Apoio Técnico Especializado (Gate) do Ministério Público do Rio foi, no sábado (19), ao Quinta D’Or, avaliar o estado de saúde de Anthony Garotinho.

Publicidade
Publicidade

As informações são da coluna de Ancelmo Gois, de O Globo.

A ordem foi dada pelo juiz eleitoral Glaucenir Silva de Oliveira, de Campos. Garotinho, no entanto, se recusou a ser examinado, alegando que seu advogado não estava presente.

O juiz diz que o médico Marcial Uribe teria conseguido cargo de médico do Estado do Rio por indicação política, durante a gestão de Garotinho, e que foi excluído dos quadros do Ministério da Saúde por cometer ato de improbidade administrativa.

Escutas telefônicas

O ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, preso na semana passada, teve conversas telefônicas interceptadas em que orienta seus advogados a procurarem a ministra Luciana Lóssio, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com quem já teria contato, para tratar de um habeas corpus preventivo.

As escutas foram realizadas antes de sua #Prisão e divulgadas pelo Fantástico.

Publicidade

Na primeira ligação, Garotinho fala com o advogado Jonas Lopes de Carvalho Neto e afirma que tem contato com a ministra, mas não seria conveniente que ele próprio a procurasse.

Em nota, o TSE disse que todos os ministros tem “idoneidade moral” e que as decisões refletem “profundo embasamento teórico”.

A ministra Luciana Lóssio foi quem determinou, na sexta-feira (18/11), a transferência de Garotinho para um hospital. A decisão liminar (provisória) será levada à apreciação do plenário do TSE na próxima sessão da Corte.

A ministra também determinou que, após o prazo necessário para a conclusão dos exames e procedimentos médicos indicados pela equipe, o ex-governador fique preso em regime domiciliar.

O ex-governador foi preso pela Polícia Federal sob a acusação de usar programas sociais para comprar votos. Após a prisão, ele ficou sozinho em um quarto no hospital desde a última quarta-feira (16), quando chegou ao local após ter sido preso pela Polícia Federal e ter passado mal.

Ele foi submetido a exames que mostraram alterações cardíacas e a equipe médica indicou que ele passasse por um cateterismo.

Publicidade

Confira trechos das conversas de Garotinho com seus advogados

Primeiro diálogo:

Garotinho: o HC [habeas corpus] caiu com a Luciana Lóssio.

Jonas Lopes de Carvalho Neto: é. Eu tô falando aqui com o Fernando, estamos correndo aqui atrás de um contato.

Garotinho: eu também tenho com ela, mas eu acho que…

Jonas Lopes de Carvalho Neto: não é bom, né?

Garotinho: não.

Segundo diálogo:

Garotinho: vamos supor o pior, que neguem a liminar.

Fernando : pensando nessa possibilidade, que eu tô fazendo? Entrando já com recurso por ela [Luciana Lóssio], recurso eleitoral.

Garotinho: como a gente teve oportunidade de explanar tudo, entendeu, ela ficou bastante impressionada.

Fernando Fernandes: entendi. Vamos fazer. A gente pode forçar uma prevenção, governador, tentando distribuir pra ela, podemos indicar ela como relatora. Aí, se ela entender…

Garotinho: ela tá bem consciente dos fatos todos.