A mãe do adolescente de 16 anos, suspeito de atirar e matar o pastor evangélico, Marco Aurélio Bezerra de Lima, de 48 anos, ligou para a polícia apreender seu filho. A mulher chorava muito, porém, não demonstrava nenhum arrependimento, em entregar o filho à Justiça.

O #Crime aconteceu na última sexta-feira (11). O pastor fazia um trabalho de evangelização de traficantes, em comunidades da Baixada Fluminense, no bairro São Leopoldo, em Belford Roxo.

O menor apreendido afirmou à polícia, que confundiu a bengala que o pastor usava com um fuzil, por isso teria atirado. Na verdade, a vítima usava uma muleta no momento em que foi assassinado.

Publicidade
Publicidade

A mãe do menor, que também é evangélica, afirma que não teria criado o filho para matar ninguém, e que doeu nela o que ele fez. Que sentia muito a perda do pastor como se fosse alguém da família dela. A rodoviária pediu perdão à família da vítima, pelo crime cometido pelo filho. A mulher que é mãe de outros dois filhos afirma que os outros filhos são de boa conduta, um deles também é pastor. Ela afirma que conversou com o menor assim que descobriu que ele teria cometido o crime, e disse a ele que deveria pagar pelo que fez. O filho concordou em se entregar, e a mãe então chamou a viatura para levá-lo, nesta segunda-feira, 14 de novembro.

O adolescente já havia sido apreendido três vezes só este ano, por tráfico de drogas e associação ao tráfico. Segundo o delegado responsável pelo caso, o menor era segurança do tráfico.

Publicidade

A mulher afirma ter esperança que, durante o tempo que o filho ficar apreendido, ele possa pensar no que fez e largue a vida do crime.

O pastor Marco Aurélio deixa mulher e três filhos. Uma das filhas do pastor se pronunciou e afirmou, em nome da família, que teria perdoado o assassino de seu pai, pois essa seria a vontade dele se estivesse vivo. O filho mais velho do pastor, Jeremias Lima, não comentou nada a respeito do perdão, porém, afirmou que continuará a obra evangelística de seu pai, nas comunidades da Baixada Fluminense, na evangelização de traficantes locais. Pois sabe que seu pai estaria orgulhoso e satisfeito em dar continuidade à missão em levar a palavra de Deus, nessas comunidades.

O pastor foi sepultado neste último domingo (13), e, no velório a viúva, Márcia Lima, já falava em perdão. Ela contou que teria orado para que Deus guardasse a alma o assassino. De acordo com a esposa do pastor, este foi um ensinamento do próprio marido, que “morreu pelo amor pela alma, tentando resgatar uma vida”, afirmou ela. #Casos de polícia