Uma briga entre filha e mãe não terminou bem, a mulher ficou irada e partiu para briga com sua “nora”. A mulher, de 34 anos, agrediu a jovem por não concordar com o relacionamento lésbico da filha. O crime aconteceu em Várzea Grande, região Metropolitana de Cuiabá.

Durante o espancamento, a mulher rasgou a roupa da menina no meio da rua. A polícia foi acionada por pessoas que passavam pelo local. Segundo o delegado do caso, a mãe não gosta relacionamentos do mesmo sexo e ao flagrar a filha com outra mulher resolveu agredir com socos, tapas na cara e pontapés na garota e depois rasgar as roupas em via pública.

Tudo aconteceu no Bairro Vitória Regia no centro da cidade.

Publicidade
Publicidade

A polícia resolveu não divulgar o nome da filha por se tratar de uma adolescente de apenas 15 anos.

A adolescente estava indo para escola, “toda vez que encontrar vocês na rua, vou bater e rasgar a roupa”, teria dito a agressora segundo relato de Joelma Aparecida de Souza que é servidora pública e tia da vítima.

Joelma afirma que a sobrinha “ficou completamente abalada e não quer sair de casa, ela sente dores de cabeça por conta das pancadas e não para de chorar”.

“Vejo na televisão crimes de homofobia, mas nunca tinha visto algo parecido de perto”, disse a servidora pública.

As meninas namoram há quatro meses, estudam na mesma escola e são bem recebidas na casa da vítima pela família.

De acordo com o relato da vítima, a “sogra” vive nervosa, sempre grita com ela e diz vários xingamentos

A mãe da adolescente disse que a jovem é abusada e que não aguentava mais as atitudes dela e da filha, alegou ainda que não teve a intenção de agredir a jovem e sim provocar para ver se ela sai da vida da filha.

Publicidade

A mulher foi detida em flagrante, vai responder por homofobia e agressão, e a garota encaminhada ao Conselho Tutelar por ser menor de idade.

A pena para crimes de agressão é de 3 meses a 12 meses de prisão, #Homofobia pode vista como preconceito que tem penas de 1 a 6 anos de prisão.

O seu comentário é importante para este site. O que você acha da homofobia? #Casos de polícia