Nesta quinta-feira, o site de notícias 1News, compartilhou um vídeo que provoca grande polêmica nas redes sociais. Apesar de não ser gravado agora, a publicação mostra algo chocante e muito discutido, sobre como os religiosos fazem para ganhar dinheiro. No vídeo está o pastor Silas Malafaia, da Igreja Evangélica Vitória em Cristo. As imagens são do ano de 2012, de um dos muitos programas televisivos já comandados pelo religioso. A publicação começa com Silas respondendo a pergunta de um dos internautas que participava da atração. Este internauta queria saber o porquê muitos pastores e cantores evangélicos cobravam quantias altíssimas, mas ao mesmo tempo estimulariam a caridade nos cultos.

Publicidade
Publicidade

O internauta lembrava que a impressão que dava é que valia o ditado do "faça o que eu digo, mas não o que eu faço". Malafaia então diz que não havia o menor problema em cobrar para fazer este tipo de serviço, mas condenou quem fazia isso por valores diários que variam entre 15 e 20 mil reais. Ele disse que essa fortuna diária era muito exagerada. Igrejas não necessitam pagar imposto de renda, então elas conseguem reter praticamente todo o dinheiro que arrecadam. De acordo com Silas, se depender dele, quem cobra esse valor vai morrer de fome. Aí é que vem a controvérsia dessa história e que está irritando muita gente nas redes sociais. Ele afirma ter uma gravadora, mas que não se mete em valores de cachês que os artistas gospel de sua empresa cobram.

Ou seja, são os artistas da empresa dele quem cobram também esses valores e no fim das contas, ele também recebe, já que gravadoras trabalham no esquema da porcentagem.

Publicidade

Outro ponto que está dando o que falar foi quando Malafaia disse que está pregando há trinta anos, mas que nunca cobrou por isso. Ele diz que são as ofertas que acabam ajudando ele em alguma coisa e que as igrejas apenas bancariam seus deslocamentos. O que você acha?

Veja o vídeo que está causando grande repercussão nas redes sociais. Não esqueça de comentar e compartilhar este conteúdo.

#Religião