A cidade de Piancó, na Paraíba, ainda tenta entender um #Crime chocante. Uma garotinha, de apenas onze anos, acabou sendo violentada sexualmente em um riacho da região. Seria mais um crime absurdo, mas se tornou inacreditável, quando se descobriu quem eram os abusadores, familiares da menor de idade. Ao todo, a menina que não pode ter seu nome revelado, teve que fazer sexo à força com três homens. Espanta dizer quem são eles. Os abusadores são o seu pai e dois irmãos, um com vinte e um anos e outro também menor de idade, com dezesseis anos. A sorte da garota é que, no momento do estupro, um pescador passava pela região.

Ao ver a cena, ele chamou a polícia, que prendeu os homens em flagrante.

Publicidade
Publicidade

Mesmo sendo vistos em pleno ato sexual com a menina, eles negam que tenham feito qualquer coisa de errado. A cidade onde tudo aconteceu, agora está revoltada e clama por justiça. Segundo a polícia da Paraíba, os três abusadores e a vítima foram encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) de Patos, uma cidade próxima a onde tudo aconteceu. Na região, eles necessitaram realizar o chamado corpo de delito e também sexológicos, que comprovaram que a menina realmente foi violada. Depois da presença no IML, eles tiveram que ir na delegacia, onde prestaram grandes explicações.

O pai da menina e um dos irmãos, segundo os próprios familiares, teriam problemas mentais. Eles passam por tratamento em uma entidade da cidade. O pescador que viu tudo revela que viu o estupro acontecendo em um açude e que ficou com medo de mexer com os três homens.

Publicidade

Ele, no entanto, penalizado com a menina, levou o seu barco o mais rápido possível até um posto, onde contactou as autoridades.

A menina confirmou que sofreu o abuso e que foi forçada a realizar os atos. A mãe da abusada, que é separada do pai dela, conta que há pouco tempo a mandou morar na casa dele, já que arranjou um emprego no qual necessitaria trabalhar fora. O conselho tutelar da Paraíba está analisando o caso. A menina está em um abrigo da região. #Investigação Criminal