Um dos assassinatos mais bárbaros da história do nosso país, começa a ser julgado nesta segunda-feira (28), quatro anos depois de revoltar todo o Brasil. Elize Kitano Matsunaga, 34 anos, vai a júri popular acusada de matar, esquartejar e ocultar o corpo do empresário Marcos Matsunaga, 42. O crime aconteceu em 2012 e Elize está detida desde então em um presídio feminino. Ela pode ser condenada a até 33 anos de prisão.

Apesar de ser um crime bárbaro, Kitano busca uma condenação mínima pelo crime. A defesa dela vai usar as diversas brigas do casal e as agressões que ela sofreu para tentar sensibilizar o júri. Vale lembrar que Elize é ré confessa.

Publicidade
Publicidade

Em depoimento, ela confirmou que atirou no marido e que agiu de cabeça quente depois de uma discussão do casal que culminou em agressões físicas de Matsunaga contra ela. Depois de atirar, ela cortou o corpo em pedaços, colocou em malas e jogou em uma mata na cidade de Caucaia do Alto, no Estado de #São Paulo.

Uma das advogadas da acusada diz que vai buscar desqualificar algumas teses da acusação, principalmente sobre a crueldade do crime. O esquartejamento foi quando a vítima já estava morta e, portanto, não ouve dor à vítima. A acusação afirma que ele ainda estava vivo quando teve o corpo dilacerado.

Se os advogados de Elize conseguirem a condenação apenas para o crime de homicídio, ela pode pegar de 6 a 20 anos. Como ela já está presa há quatro anos e tem bons antecedentes criminais, a acusada pode ser condenada hoje e, mesmo assim, ser solta por ter cumprido mais de um sexto da pena.

Publicidade

Roselle Soglio acredita também, que Elize pode ser absolvida do crime, já que ela sofria violências constantes do marido. Por sempre apanhar do marido, a advogada diz que vai tentar que o juiz entenda que o crime foi por legítima defesa.

O Ministério Público descarta a versão dela, já que não existem provas das agressões sofridas por Elize. Nenhuma ocorrência foi registrada e não tem testemunhas de que Marcos agredia a esposa.

Marcos Matsunaga era empresário, dono do grupo Yoki, que hoje é avaliado em aproximadamente R$ 2 bilhões.

O #julgamento pode durar de 1 a 5 dias. No primeiro dia é feita a escolha das pessoas que vão compor o júri. #Elize Matsunaga