As pessoas que estavam em um bar localizado em Balneário Camboriú, litoral norte de Santa Catarina, ficaram chocadas com a cena que viram. Uma mulher, de 32 anos, chegou ao local com a filha, uma menina de 4 anos, na última terça-feira (15) e começou a oferecer a criança, como se ela fosse simplesmente um objeto.

A mãe foi a cada um dos clientes do estabelecimento e ofereceu a filha, dizendo que cobraria o valor de R$ 500,00. Quem pagasse, já levava a menina embora dali mesmo, pois ela estava precisando muito do dinheiro.

Testemunhas disseram que a mulher estava visivelmente embriagada e insistia muito para que alguém comprasse sua filha.

Publicidade
Publicidade

A polícia foi chamada, comunicada do ocorrido e fez uma varredura na região, vindo a encontrar a mãe desnaturada por volta das 16h30, em um local não muito distante do bar. Ao ser encontrada, no bairro das Nações, a mulher não apresentou resistência para ser detida.

A criança estava com várias lesões pelo corpo e agora a polícia investiga se foi a mãe que agrediu a própria filha, ou se teria sido outra pessoa. A mulher encontra-se presa, acusada de abandono de incapaz e a menina foi encaminhada para as autoridades competentes, pois precisa passar por exames, ter os ferimentos tratados e depois a Justiça irá determinar o seu futuro, para que não venha a passar novamente por uma situação como essa.

A Polícia Militar já conseguiu descobrir que uma mulher no bar chegou a começar uma negociação com a mãe, só que um outro frequentador impediu a tempo e não deixou que a venda fosse concretizada.

Publicidade

Ainda foi descoberto que era comum a criança ficar sozinha no bar ou então aos cuidados de certos clientes, por isso será feito exames para saber se a menina já chegou a ser abusada sexualmente e se o dono do estabelecimento estaria envolvido de alguma forma.

Enquanto a mãe foi encaminhada para a Penitenciária da Canhanduba, a menina seguiu para o Conselho Tutelar de Balneário Camboriú. Os familiares também poderão ser investigados e chamados para prestarem depoimento. #Polêmica #Crime #Casos de polícia