Vera Lúcia sempre foi uma pessoa alegre. Ela é conhecida pelos amigos por ter muita "vida", fazendo brincadeiras e mostrando-se disposta a curtir os momentos enquanto ainda respira. No entanto, Vera, uma nordestina da cidade de Camocim, no leste do Ceará, tem um sonho desde criança e decidiu lutar anos para realizar ele. Após ir a um enterro e ver muita gente dando atenção para o defunto, ela começou a imaginar como seria a sensação de ver todos tristes por ela partir. Sim, Vera sonhou cada dia pelo seu velório, com um único diferencial. Ela queria ter certeza que saberia como é ficar dentro de um caixão e isso foi conseguido apenas após mais de quatorze anos de penar muito. 

Mesmo pagando, Vera não conseguia nenhuma funerária que aceitasse realizar o seu sonho.

Publicidade
Publicidade

Em um ano de crise, até mesmo para a indústria dos mortos, Paulo Araújo, dono de uma funerária, decidiu fazer uma surpresa para a dona de casa, fazendo com que o que a mulher tanto queria, mas já imaginava que não iria mais lhe acontecer, virasse uma realidade. Após cinco tentativas dela, ele aceitou a ideia e disse que estava tudo certo, que bastaria Vera marcar a data do seu velório. Dito e feito, ela avisou aos amigos, familiares e conhecidos. Muita gente nem levou a sério, mas a repercussão do sonho dela acabou sendo por toda a cidade, que é pequena. 

Foram mais de nove horas deitadas no caixão. Vera teve que se fingir de morta quase que o tempo todo. Para não passar mal ou morrer de verdade, ela recebeu líquido através de caixinhas de suco. Por um canudinho, ela bebia sucos, enquanto seus familiares se divertiam com a situação.

Publicidade

Muitos curiosos fizeram selfies com a mulher que se fingia de morta. De acordo com Vera, em entrevista dada ao G1, uma de suas amigas até fingiu estar chorando e perguntou porque ela morreu tão nova. 

Assista abaixo um dos vídeos que mostram o momento em que essa senhora realiza  um sonho extremamente mórbido. Se fosse sua conhecida, que conselho você daria à ela? Comente e compartilhe essa história

#Morte