Você já deve ter ouvido a expressão que todo mundo merece uma segunda chance, não é verdade? Pois é, o pastor Marco Aurélio Bezerra de Lima também e ele decidiu levar isso ao pé da letra durante boa parte de sua vida. No entanto, a jornada do religioso acabou quando ele chegou aos 48 anos. Ele sofreu um assassinato estranho. De acordo com informações do RJTV Segunda Edição, em reportagem exibida na noite deste sábado, 12, a delegacia de homicídios da Baixada Fluminense já investiga como aconteceu o #Crime contra o religioso. Já se sabe que ele foi morto no município de Belford Roxo, que fica na Baixada Fluminense.

O delegado da região, Nilton Lages, fala que o crime aconteceu na sexta-feira, 11, quando o pastor estava a realizar um culto na comunidade conhecida como São Leopoldo.

Publicidade
Publicidade

O delegado explica que no momento em que o pastor foi morto ele estava fazendo a evangelização na comunidade. Uma das pessoas que estava com um religioso diz que quem assassinou Marco Aurélio Bezerra foi um traficante. No entanto, o nome do criminoso ainda não foi identificado.A morte aconteceu quando o pastor ia se abaixar para pegar uma foto. A imagem mostrava outro bandido, que segundo o religioso, teria aceitado Jesus Cristo.

A polícia civil fez uma perícia no local onde o corpo do pastor foi encontrado. O delegado que está responsável pelo caso diz que, até o momento, apenas uma pessoa que viu a cena foi entrevistada pela polícia. Além dessa pessoa, amigos e familiares do religioso também já deram depoimentos para tentar achar pistas do que pode ter levado à morte de Marco Aurélio Bezerra.

Publicidade

O profissional da polícia agora tenta identificar o autor do crime fazendo diligências na região.

Testemunhas disseram que no momento do assassinato o pastor estava no veículo que tinha chegado à comunidade. Ele foi até ao banco de trás do carro e começou a exibir fotos para os bandidos que acabara de conseguir levar para uma das igrejas. Ai foi quando um homem chegou e atirou nele. Acredita-se que o traficante tenha confundido uma bengala que o religioso carregava com um fuzil.