Na última segunda-feira (7), no município de Caçador, a Polícia Militar prendeu um homem que está sendo acusado de estuprar uma menina de 5 anos de idade. O suspeito tem 49 anos e responderá por estupro de vulnerável. A criança é filha da namorada do estuprador e a polícia gastou mais de cinco horas para conseguir capturá-lo. A população ficou revoltada com o estuprador e até ameaçou ir à delegacia linchá-lo.

De acordo com os policiais envolvidos na prisão, por volta das 22 horas eles foram acionados para socorrer uma vítima de estupro, no bairro Martello. A criança precisou ser encaminhada para o Pronto Socorro, onde foi prontamente atendida e submetida a alguns exames para ver se houve relação sexual e também para avaliar o seu estado de saúde.

Publicidade
Publicidade

A mãe da criança contou que a filha foi levada pelo namorado e quando voltou estava agindo de forma estranha. A mulher não percebeu nada de diferente, mas continuou notando que a filha estava agindo diferente do normal. Isso aconteceu no sábado, dia 5, e no dia seguinte, quando foi dar banho na menina, percebeu que a filha reclamou de dor nas genitálias. Foi então que a mulher começou a perguntar o que tinha acontecido e a criança contou tudo, dando todos os detalhes do que o namorado da mãe fez com ela.

Os policiais ouviram a mãe e logo em seguida fizeram uma varredura por toda a cidade, em busca do acusado, que só foi localizado algumas horas depois em um posto de gasolina, já na saída do município. O suspeito ainda tentou reagir para não ser detido, mas acabou sendo preso e encaminhado até a delegacia, onde encontra-se à disposição da Justiça.

Publicidade

Os resultados dos exames comprovaram que houve conjunção carnal e a menina continuou internada por mais um tempo em observação. Apesar de negar o estupro, o sujeito ficará no Presídio Regional de Caçador, até que a Justiça resolva o que irá fazer em relação ao caso.

A mãe da criança está desesperada e pede por justiça. A menina precisará de um acompanhamento psicológico para tentar superar o trauma vivido. #Crime #Casos de polícia