Um #Casamento luxuoso que aconteceu próximo a Brasília teve seus presentes confiscados pela Justiça. O juiz responsável pelo caso teria visto as fotos do casamento cheio de ostentação, e resolveu cobrar a indenização milionária, que o noivo devia e se recusava a pagar.

O noivo teria sido condenado a pagar uma indenização no valor de R$ 1,3 milhão, por ser o responsável por um acidente de trânsito, que causou a morte de um homem. A indenização era para ser paga à família da vítima, que nunca recebeu um centavo do valor, pois o noivo alegava não ter condições de pagar, e não possuir nada em seu nome. O acidente aconteceu há 8 anos e os familiares, até hoje, aguardam a indenização do autor do acidente.

Publicidade
Publicidade

Após ver as fotos do casamento milionário do noivo, cheio de ostentação, o casamento foi para 600 convidados, aconteceu em uma Fazenda em Pirinópolis, Goiás, tudo com mais alto padrão de luxo. O juiz então resolveu bloquear os créditos que os convidados deixaram nas lojas em Brasília, como presente de casamento. O valor é bem abaixo do que o noivo deve, pois os créditos para compras dos presentes de casamento totalizam R$ 31 mil, para uma dívida indenizatória que ele deve no valor de 1,3 milhão.

A noiva resolveu recorrer da decisão judicial, sob a alegação de que a festa de casamento teria sido custeada pelo seu pai. Afirmando ainda que foi ela quem escolheu as pessoas de seu convívio pessoal para receber os presentes nas lojas. A mulher alegou que os presentes eram exclusivos dela.

O juiz de Brasília negou o pedido da noiva, pois ele afirmou que, quando os convidados ofertam presentes, ofertam aos dois, não tem como fazer uma diferenciação do que é do noivo e do que é da noiva.

Publicidade

Segundo o juiz, é uma universalidade indivisível.

O advogado da noiva, Alexandre Jorge, alega que, na ocasião do acidente, que teria acontecido há 8 anos, a noiva nem conhecia seu atual marido, Gianpierro Rosmo, que ela não teve participação dos fatos, e que, pelo menos, deveria ficar com metade do valor dos presentes de casamento.

Segundo Alexandre, a Justiça tem que ter limite e não sobrepor à intimidade das pessoas, explicou que sua cliente está sendo exposta numa ação em que ela não teve participação, e que já está em curso de sentença.

De acordo com o Juiz Fábio Martins de Lima, que decidiu pelo bloqueio, Gianpierro Rosmo exibe alto padrão financeiro, em festas luxuosas, que não condizem com a alegação dele de não poder pagar a indenização estimada a ele. O juiz afirmou ainda que o dinheiro que está nas lojas para comprar os presentes de casamento, vai para a família do homem que morreu no acidente provocado pelo noivo.

#Crime #Casos de polícia