A vaquejada é uma tradição secular em todo Nordeste, tendo origem nas disputas enfrentadas por vaqueiros sertanejos. Geralmente esses espetáculos duram entre três e quatro dias, onde cavaleiros perseguem sem descanso o boi, puxando pelo rabo, em busca de valiosos prêmios.

Um dos exemplos aconteceu no Parque Alto Sereno, em Serrinha (BA), em maio de 2015. Mais de duas mil pessoas se divertiam vendo na arena dois homens montados a cavalo, perseguindo um boi que tentava escapulir apavorado. O objetivo era derrubar o animal puxando-o pelo rabo em uma faixa demarcada, o bicho depois de muita luta finalmente é jogado ao chão com as patas para cima, enquanto o cavaleiro exibe triunfante o rabo do boi em sua mão.

Publicidade
Publicidade

Essa técnica de arrancamento do rabo ou retirada brusca da pele e tecidos, chama-se "desenluvamento".

As premiações nesses eventos podem chegar até R$ 50 mil em alguns parques, além disso são realizados leilões de cavalos, escolha da rainha e do rei da vaquejada e muitos shows de música sertaneja. Mas essas festas podem estar com os dias contados por causa de uma decisão do STF (Superior Tribunal Federal) que julgou a prática como "maus tratos a #Animais", no dia 6 de outubro.

Por conta dessa decisão do STF outros eventos estão ameaçados como, a Festa do Peão de Barretos (SP) e o Rodeio Crioulo, no sul do país. Mas há diversas interpretações para o problema, muita gente não vê como maus tratos e alega que as vaquejadas são o meio de vida de milhares de pessoas, além de ser uma cultura muito antiga.

Publicidade

Proibições

Admiradores das vaquejadas estão temerosos, preocupados que se acabem do mesmo modo que acabaram as brigas de galo, no Rio e a farra do boi em Santa Catarina. Também fora do Brasil outras proibições vem acontecendo como as touradas, na Espanha.

Porém essa semana um duro golpe para quem luta em defesa dos animais, o Senado deu sua aprovação ao projeto de lei que eleva a vaquejada à condição de manifestação cultural e patrimônio nacional. Mas para a vereadora baiana do PMDB, Ana Rita Tavares, vaquejada é um "instrumento de #Violência".