A sobrinha-neta de Sarney, Mariana Menezes de Araújo Costa Pinto, de 33 anos, foi encontrada morta, em um cômodo de seu apartamento do nono andar, que fica localizado na Avenida São Luiz Rei de França, no Turu, em São Luís, Maranhão. O principal suspeito de cometer o #Crime é seu cunhado, marido de sua irmã.

Mariana é filha do ex-deputado estadual Sarney Neto, e foi encontrada sem roupa e desacordada em casa na noite deste último domingo (13). Ao ser encontrada a vítima foi socorrida e levada para um Hospital particular, mas não resistiu e veio a óbito na unidade de saúde. O corpo da jovem foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), e liberado por volta das 4h da manhã desta segunda-feira (14).

Publicidade
Publicidade

Segundo a polícia, o laudo pericial do IML apontou, como causa, morte por asfixia, Mariana sofreu uma tentativa de estrangulamento e foi asfixiada por um travesseiro, pelo suspeito. O velório da jovem, que era casada e tinha duas filhas ainda crianças, aconteceu na Igreja Batista do Olho D'água (IBOA), e o enterro no cemitério Parque da Saudade, no Vinhais, às 16h, desta segunda-feira.

O principal suspeito de ter cometido o crime é Lucas Leite Ribeiro Porto, de 37 anos, que é casado com a irmã da vítima. A polícia teve acesso às imagens das câmeras internas de videomonitoramento do condomínio onde Mariana morava. Que mostraram o momento em que Lucas Leite chega ao condomínio e deixa Mariana e suas duas filhas, e sai. Em seguida, o homem retorna ao apartamento demora 40 minutos lá dentro e sai transtornado e faz ligações na garagem e vai embora.

Publicidade

Na segunda vez que Lucas retornou ao apartamento, as filhas de Mariana brincavam na área de lazer do prédio, por este motivo, a porta estaria aberta, facilitando a entrada do suspeito no apartamento.

Lucas que é sindico do condomínio onde Mariana morava, resistiu em entregar as imagens das câmeras de videomonitoramento do local à polícia. Depois de deixar o condomínio, o suspeito se livrou das roupas que usava e foi para a sauna do condomínio onde mora, para eliminar algum vestígio de contato com a vítima.

Ele foi ouvido e encaminhado para Centro de Triagem do Complexo Penitenciário de Pedrinhas. O suspeito apresentava, no corpo, sinais de luta corporal. As lesões apresentadas pela perícia como lesões de defesa.

O advogado de Lucas afirma que seu cliente alega inocência, que ele não teria motivos de cometer o crime, e pede que não afaste outras linhas de investigação sobre o caso. A defesa alega que Lucas retornou ao apartamento para conversar assunto familiar com a cunhada, como já havia feito inúmeras vezes.

Publicidade

De acordo com o delegado responsável pelo caso, a tentativa de Lucas em apagar as evidências de que ele esteve na cena do crime, são os principais motivos que o colocaram como o suspeito. Ele apagou as ligações de seu celular, se livrou das roupas que usava, foi para sauna para tentar eliminar vestígios, e se negou a fornecer à polícia, as imagens das câmeras de segurança do condomínio, para não mostrassem o retorno dele ao apartamento da vítima. Além das lesões no punho, tórax e rosto, que evidenciam luta corporal.

As causas para o crime ainda não foram descobertas, a polícia segue investigando o caso.

#Investigação Criminal