Já saiu o resultado do laudo que revela a causa da morte da sobrinha-neta de José Sarney. A polícia do Maranhão divulgou as informações nesta quarta-feira (23), sendo que a jovem foi assassinada no dia 13 de novembro. Antes de morrer, a vítima lutou contra o assassino, seu cunhado, tentando fazer de tudo para não ser violentada.

Para o delegado responsável pelo caso, Lawrence Melo, não há mais nenhuma dúvida, o #Crime está completamente esclarecido, sendo que já ficou definida não só a autoria, como também as circunstâncias. O delegado geral da Polícia Civil informou ainda que ficou tudo muito detalhado sobre a prática do #Estupro e também o homicídio qualificado.

Publicidade
Publicidade

As marcas de violência encontradas na vítima e citadas no laudo, confirmam que houve uma luta. A jovem brigou com seu cunhado e fez de tudo para evitar a violência sexual. As marcas apontam para uma violência muito grande, mostrando o quanto ela resistiu ao ato sexual, a jovem ficou diversas lesões pelo corpo.

Há alguns outros laudos que ainda serão entregues ao delegado, mas para ele não há mais nenhum detalhe a ser acrescentando e que os laudos que ainda faltam não irão acrescentar nenhuma novidade ao que ficou definido até agora. São exames de estudo genético, feitos exclusivamente para que possa ser identificado o material orgânico que foi encontrado no local em que a sobrinha-neta de José Sarney foi morta.

Em relação ao exame toxicológico, tanto a vítima como também o agressor tiveram um resultado negativo.

Publicidade

A polícia informou ainda que o assassino alterou toda a cena do crime, tentando arrumar o quarto, mas isso só adiantou para servir de prova contra ele, pois mostra o quanto ele estava lúcido no momento que cometeu o estupro e matou a garota. Quando a pessoa não está bem, ou sob a influência de algum produto químico, ela não tem cabeça para pensar nesses detalhes. Lucas até tentou sumir com as roupas que foram usadas no crime, mostrando que ele tinha plena consciência de tudo que fez e ainda estava fazendo. #Casos de polícia