A tragédia aérea ocorrida com o avião que levava a delegação da #Chapecoense na madrugada desta terça-feira para a final da Copa Sul-Americana é história que se repete com times de futebol desde 1949. Foram várias perdas em acidentes aéreos, que geraram tristeza e comoção de clubes como Manchester United, com 23 mortos de sua delegação,Torino, 42 integrantes do voo morreram na hora, incluindo toda a delegação do time. No acidente com o Alianza de Lima, na América do Sul, morrem todos os jogadores do time. As seleções de Zâmbia e Dinamarca também sofreram perdas, nestas as perdas somam 17 jogadores e 13 integrantes da comissão técnica e 8 jogadores respectivamente.

Publicidade
Publicidade

Na madrugada desta terça-feira (29), a equipe do time catarinense, Chapecoense, entra para a lista de times que sofreram perdas em suas equipes, tendo embarcado no voo em São Paulo, por volta de 15h35, já na Colômbia, após realizar a escala, ocorre o acidente aéreo na região da Antióquia. A equipe enfrentaria o Atlético Nacional pela final da Copa Sul- Americana de 2016.

O resgate ainda está sendo realizado, apenas por terra, devido as condições climáticas do local, no qual há muita lama, ainda estão sendo encontrados sobreviventes, que são conduzidos ao hospital de La Ceja. Os atletas Danilo, Gimenez, Bruno Rangel, Marcelo, Lucas Gomes, Sérgio Manoel, feleipe Machado, Matheus Biteco, Cleber Santana, William Thiego, Thiaguinho, Neto, Josimar, Denr, Ananias, Kempes, Arthur Maia, Mateus Caramelo e Ailton Canela, tiveram seus nomes divulgados pela Chapecoense como vítimas do acidente.

Publicidade

A Chapecoense divulgou ainda os integrantes da Comissão Técnica que morreram na #Tragédia: Caio Júnior (técnico), Duca, Pipe Grohs, Anderson Paixão, Anderson Martins, Dr. Márcio, Gobbato, Cocada, Serginho, Adriano, Cleberson Silva, Maurinho, Cadu, Chinho di Domenico, Sandro Pallaoro, Cezinha, Giba. Dos diretores do time não houveram sobreviventes, estando listados Plínio D. de Nes Filho, Nilson Folle Júnior, Décio Burtet Filho, Edir de Marco, Ricardo Porto, Mauro dal Bello, Jandir Bordignon, Dávi Barela Dávi.

Neste voo, além da delegação da Chapecoense, estavam vinte e dois jornalistas, que fariam a cobertura da final da Copa Sul- Americana em Medellín. Até o momento, as autoridades confirmam ter sobrevivido apenas o repórter Rafael Henzel (Rádio Oeste, Chapecó).

Já o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon (PSB) deveria estar no voo, no entanto não embarcou, bem como os atletas da Chapecoense Neném, Demerson, Marcelo Boeck, Andrei, Hyoran, Martinuccio, Nivaldo e Rafael Lima que que escaparam da morte.

Publicidade

A comoção toma conta das redes sociais, sendo que nos perfis de diversos clubes há manifestações solidarizando-se com familiares das vítimas. Jogadores de times brasileiros e estrangeiros, como Neymar, Felipe Melo, Lucas Leiva, Ballack, também postaram mensagens de apoio aos familiares e ao time catarinense.

A CBF já divulgou que está adiada a decisão da Copa do Brasil, devido à tragédia ocorrida com o avião em que se encontrava o time da Chapecoense. Na quarta-feira (30), o Grêmio enfrentaria o Atlético- MG sendo a partida final da Copa do Brasil, na Arena do Grêmio em Porto Alegre. #FutebolBrasileiro