O caso da mulher que assassinou seu ex-namorado, ganhou grande repercussão nas #Redes Sociais. Depois de publicado na página "Isso é Brasil no Facebook", o post já está com quase 22 mil compartilhamentos. A maior parte dos comentários são apoiando a decisão da #Justiça em absolver Ana Raquel Trindade, de 31 anos.

A matéria é do site Blastingnews e foi publicado na página com o título “ALELUIA". No post estava escrito a seguinte frase: "Cidadã de bem matou bandido e foi absolvida pela justiça. O Brasil está mudando. Todos os brasileiros de bem precisam ver esta notícia. Faça sua parte e compartilhe!”.

Um dos comentários da página diz “Achei pouco ela dar só 12 tiros nele, tinha que ter capado antes.

Publicidade
Publicidade

Quem concorda comigo dá um curtir aqui”.

“Por que os direitos humanos não vão defender os animais, sairiam ganhando muito mais! ”, disse Jesiel Ivanowski seguidor da página.

A repercussão foi grande, principalmente pelo fato de existir no Brasil, um grande debate sobre a atuação dos Direitos Humanos e também, o fato da polícia prender os bandidos e depois a justiça soltar.

Veja a publicação que foi para a página no fim da matéria.

Entenda o caso:

A justiça absolveu Ana Trindade do crime de assassinato, o júri popular entendeu que matar o ex-namorado foi legítima defesa.

Ana, tinha registrado mais de 20 boletins de ocorrência contra Renato Patrick e mesmo assim, nem a polícia e tão pouco a justiça fizeram algo para garantir a segurança de Raquel.

Patrick, começou a namorar com Raquel em 2013, logo em seguida, foram morar juntos em Curitiba, onde ele prendeu e estuprou ela.

Publicidade

Ana ficou acorrentada e foi violentada por várias pessoas.

Ela só descobriu depois que ele era dono de um prostibulo e aliciava mulheres para trabalhar para ele. Quando Ana conseguiu fugir, o agressor foi atrás e começou a ameaçar ela e o filho. Depois de registrar diversos boletins de ocorrência e solicitar a justiça medida protetiva sem sucesso, ela resolveu comprar uma arma de fogo para se defender.

“Eu pedia a Deus para me matar e me sentia um lixo”, disse Ana.

Para o promotor do caso, Andrey Amorim, Ana buscou todos os meios jurídicos de garantir a sua segurança, mas o estado foi omisso na proteção dela.

O Agressor tentou invadir sua casa, ela pegou o revolver e disferiu 12 vezes matando Patrick. Ela foi presa em flagrante e depois solta, para aguardar o julgamento em liberdade.

No julgamento, ela disse não se arrepender de matar seu agressor e que faria tudo novamente, mesmo assim, o júri achou que ela fez o certo e absolveu a acusada do crime por legitima defesa.

Abaixo publicação viralizada no Facebook:

#assassinato