Entre os anúncios de diversos produtos em uma página de ofertas na internet, um em especial chamava a atenção até a última segunda-feira (26): o que estampava um bebê de cinco meses.

A polícia já foi acionada e está investigando para chegar até a autoria das imagens, publicadas no site de e-commerce. A investigação começou depois que prints do anúncio começaram a circular nas redes sociais, gerando e espanto de muitos internautas desde o último domingo de Natal (25).

Pelo que consta na “oferta”, o bebê, que parece ser uma menina, é de Fortaleza, Ceará. Nas descrições o suposto pai justifica a transação dizendo que não tem condições de cuidar da menor.

Publicidade
Publicidade

De acordo com Eulógio Neto, que atua no Fórum Colegiado Nacional de Conselheiros Tutelares (FCNCT) pelo Estado do Ceará, a Polícia Civil foi acionada por meio do Conselho Tutelar, que por sua vez recebeu a denúncia encaminhada pelo FCNCT.

Ainda não há a certeza de que houve de fato a intenção de comercializar a menor. Uma mulher chegou a simular interesse na aquisição da bebê, mandando uma mensagem para o suposto pai, por meio do aplicativo WhatsApp. Como resposta, recebeu a informação de que o caso não passava de uma brincadeira de mau gosto do tio da menor. A internauta contou a experiência no Facebook em tom de indignação.

E na última segunda-feira (26), a publicação foi retirada do site de ofertas.

Não se sabe se pelo administrador do site ou se pelo suposto anunciante.

Brincadeira ou não, segundo Eulógio, o ato deve ser configurado como #Crime, conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Publicidade

Ele, que também é vereador pelo PSC em Fortaleza, diz que os pais serão encontrados e podem ser responsabilizados caso fique claro que sabiam ou compactuaram com o anúncio, ainda que tenha sido apenas um trote.

Está previsto no ECA punição para estes casos. Pelo Estatuto, prometer ou efetivar a entrega de filho em troca de qualquer tipo de recompensa financeira, gera penalidade de 1 a 4 anos de prisão, além multa.

E ainda segundo o ECA, os eventuais interessados que em efetivar a aquisição também respondem com a previsão das mesmas penas atribuídas a quem comercializa o menor.

#Investigação Criminal