A equipe médica que cuida dos brasileiros que sobreviveram à queda do avião da Chapecoense na Colômbia na semana passada quer trazer dois dos sobreviventes para o Brasil. Os escolhidos são o jogador Alan Ruschel e o jornalista Rafael Henzel.

A boa notícia veio com a melhora dos dois, que têm conversado bastante e se recuperado conforme o esperado. Os médicos brasileiros e colombianos que cuidam deles até têm brincado que agora eles precisam de atenção para não abusarem da melhora na condição médica que apresentam.

Os dois sobreviventes devem deixar o Hospital San Vicente, na cidade de Rionegro, na Colômbia, e serão levados diretamente para Chapecó, em Santa Catarina, aonde continuarão seus tratamentos.

Publicidade
Publicidade

Eles podem ser trazidos para o Brasil ainda na próxima semana e devem ser transferidos no mesmo voo, o que facilitaria a logística de transporte.

Os médicos ressaltam que é preciso transportar os sobreviventes de forma segura, para não correr o risco de que o estado de saúde deles piore. "Estamos organizando a transferência, tem que montar uma grande logística", contou Edson Stakonski, intensivista da #Chapecoense. Ele também afirmou que ainda não há uma data confirmada para a transferência, mas que aspectos como segurança da aeronave, trajeto, equipe, tempo de voo e equipamento já estão sendo estudados.

O lateral Ruschel já está no quarto há dois dias, mas apresentou um novo problema. De acordo com Ferney Rodriguez, diretor médico do hospital San Vicente, foi diagnosticado um processo infeccioso urinário no jogador, mas a bactéria já foi identificada e os médicos estão controlando e acompanhando a situação.

Publicidade

Já Henzel ainda precisa se recuperar de uma lesão no pé direito, mas já sentou e até postou fotos do momento na internet.

Outros sobreviventes

Os outros dois brasileiros que sobreviveram ao #Acidente aéreo ainda não têm previsão de retorno para o Brasil. Follmann teve a perna direita amputada logo após ser resgatado e nessa semana passou por um novo procedimento para retirar mais alguns centímetros da perna amputada, após apresentar quadro infeccioso.

Sob acompanhamento constante, ele ainda terá que passar por um procedimento de limpeza e aplicação do curativo, para evitar um novo processo infeccioso. Ele também tem uma fratura na vértebra e será levado para São Paulo quando for transferido para o Brasil.

Neto, o último a ser resgatado e o paciente com estado de saúde mais crítico, foi desentubado hoje, sexta-feira (09). Ele já conversou com médicos e com a esposa, mas ainda é quem mais inspira cuidados, devido à uma fratura na vértebra lombar.

Stankonski explicou que as próximas 48h serão as mais críticas para Neto e que o objetivo é que ele aguente respirar sozinho. "Vamos ver se os pulmões suportam. Ele ainda necessita de cuidados intensivos e de avaliação de hora em hora", completou o intensivista. Hoje a CBF enviou para a Colômbia um equipamento que deve auxiliar na recuperação da lesão torácica que o jogador sofreu no impacto do avião. #Futebol