A semana começa movimentada na corrida presidencial para 2018. Segundo o Datafolha, a ex-senadora Marina Silva (Rede) lidera em todos os cenários de segundo turno da eleição presidencial. Entre os candidatos mais competitivos, ela tem a menor rejeição. Em simulações de primeiro turno, o ex-presidente Lula (PT) subiu na comparação com pesquisa de julho. Mas mantém alta rejeição e perderia para Marina em um eventual segundo turno por nove pontos. No cenário de primeiro turno com o governador Geraldo Alckmin (PSDB), Lula tem 26%; Marina, 17%; e o tucano, 8%. Na simulação de segundo turno, Marina soma 43% e Lula, 34%. Brancos/nulos são 20%.

Aproveitando o clima eleitoral, o site Yahoo!, através do seu canal no Facebook, faz hoje uma pergunta: "Quem deve ser o presidente em 2018?".

Publicidade
Publicidade

Com mais de 180 mil sinalizações de voto, o deputado Jair Bolsonaro, que já se envolveu em várias polêmicas, está com uma larga vantagem em cima do segundo lugar, até o início da tarde desta segunda-feira, que é o ex-presidente Lula. A diferença é de pouco mais de três vezes. Ainda completam o ranking, da maior para a menor quantidade de votos, juiz Sérgio Moro, Ciro Gomes (PDT), Marina Silva e Aécio Neves.

POPULARIDADE DE MICHEL TEMER

Neste fim de semana, o Datafolha também ouviu a população para saber o que ela acha do governo Michel Temer. A popularidade do presidente Michel Temer caiu, se comparada às amostras de julho deste ano. A pesquisa foi feita nos dias 7 e 8 de dezembro. A margem de erro é de 2%. Em julho, 31% da população achava Michel Temer ruim ou péssimo; agora pulou para 51%.

Publicidade

Quarenta e dois por cento observava o governo como regular em julho. Agora, baixou para 34%. Catorze por cento achava o governo ótimo ou bom. Agora, o índice está em 10%. Ainda na primeira pesquisa, 13% não souberam responder. Desta vez, 5%.

Para 38%, a economia, a partir de julho, ia dar sinais de melhora. A confiança caiu para 28%. Trinta por cento já tinha pessimismo quanto à economia. Agora, saltou para 41%. Vinte e sete por cento respondeu que não haveria mudanças. O mesmo dado se repetiu. Não houve resposta por 4% nas duas pesquisas. O Datafolha ouviu 2.828 pessoas. #Brasil #Política #Jair Bolsonaro