Neste fim de semana, um acidente registrado na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro, teve bastante repercussão. Nesta quarta-feira, 7, ele ganhou novos capítulos. Isso porque um vídeo divulgado através do WhatsApp mostra um bombeiro chorando muito. Ele até tentou, mas não conseguiu salvar uma menina de apenas dez anos. Ela morreu decapitada após um acidente com uma lancha e um brinquedo aquático, o Banana Bolt. O homem que é do batalhão de Bangu, mas não teve o nome identificado, disse que a imagem da menina não sai da sua cabeça e que ele, ao chegar em casa, gritava muito de ódio dele mesmo, por não ter tido a capacidade de reverter aquela morte.

Publicidade
Publicidade

"Acabou comigo, acabou com meu dia", desabafou.

Além da morte da menina de dez anos, outras três pessoas ficaram feridas no acidente com a lancha. O motorista será julgado por lesão corporal e homicídio culposo. Um entrevistado da TV Record diz que as lanchas e motos aquáticas não estão respeitando as regras. "Eles estão passando muito rápido. Falta fiscalização e experiência dos pilotos, que comandam as embarcações. Eles não tem o menor respeito entre as pessoas", disse o entrevistado, cujo nome é Anderson. O sobrenome dele não foi identificado pela emissora, que deu amplo destaque no Rio de Janeiro à #Tragédia registrada no município de Cabo Frio.

20 pessoas estavam no brinquedo, quando aconteceu o acidente. O nome da menina, de dez anos, é Maria Luisa. A distância permitida entre a areia e as embarcações é de 200 metros.

Publicidade

No momento do acidente, a lancha estava a 500 metros de distância do espaço dos banhistas, ou seja, agindo nesse trecho diante da legalidade náutica. No entanto, a perícia vai determinar a causa do acidente. Uma pessoa que estava no banana bolt diz que o motorista da outra lancha estava em alta velocidade. Além disso, segundo essa testemunha, o condutor do brinquedo aquático teria tentado avisar o outro piloto do risco.

A Marinha confirmou que os condutores estavam habilitados e que as embarcações envolvidas estavam com a documentação em dia. #Crime