Na madrugada desta segunda-feira, 5, Elize Matsunaga foi condenada a 19 anos e 11 meses de prisão por um #Crime que chocou o país. Em 2012, ela assassinou e cortou em pedaços o corpo do marido, Marcos Kitano Matsunaga, diretor da Yoki alimentos, uma das maiores marcas alimentícias do Brasil. Elize, que tinha sido garota de programa no passado, descobriu que Marcos tinha um caso fora do casamento. Ao constatar suas suspeitas com um detetive contratado, ela ficou fora de si. O juri que durou sete longos dias levou cada um desses detalhes em consideração. Como já está há quatro anos na prisão, Elize deve permanecer, em média, mais 15 anos atrás das grades.

Chorando muito, Matsunaga disse como foi o dia em que teve certeza que o marido tinha uma amante.

Publicidade
Publicidade

A dona-de-casa diz que se arrepende do que fez e que era para ter ficado calada durante uma discussão com o ex-marido. Elize disse que, após já ter as evidências de que o ex tinha uma amante, não se controlou e contou tudo a ele. Nervoso, o diretor da Yoki a assustou. "Ele ficou nervoso, bateu a mão na mesa, me xingou de vaca, vagabunda e me deu um tapa no rosto", disse ela chorando ao juri que avaliou o crime cometido por ela há mais de quatro anos.

Em seguida, ela disse que foi para o quarto e pegou uma arma. O marido viu e teria começado a rir, dizendo que ela não seria capaz de atirar nele. Ele teria xingado muito a ex-garota de programa, com quem decidiu manter uma família. Marcos teria ainda ameaçado Elize de nunca mais ver a própria filha, fazendo com que ela tomasse a decisão que marcou o noticiário brasileiro.

Publicidade

A mulher então disse que queria esconder o que tinha feito e a única maneira disso era cortar o esposo. Elize disse que começou o esquartejamento apenas na manhã seguinte.

Matsunaga disse que iniciou a cortar os pedaços do corpo de Marcos pelos joelhos. "Depois cortei os braços... Foi difícil porque estava duro", disse fria. "Depois foi a barriga e o pescoço. Coloquei em sacos e nas malas", explicou ela deixando de boca aberta os jurados.