Neste domingo, 25, dia em que se comemora o Natal, o portal de notícias R7 publicou uma informação que pode gerar uma grande mudança na maior #Tragédia envolvendo brasileiros de 2016, a queda do avião que levava o time da #Chapecoense para a final da Copa Sul-Americana, na cidade de Medellín, na Colômbia. Isso porque o departamento de aeronáutica da Colômbia decidiu contestar as investigações preliminares dos órgãos de outro país, a Bolívia, de onde o avião saiu para levar jogadores, comissão técnica, jornalistas e tripulação para a final esportiva. No dia 29 de novembro, 71 pessoas acabaram falecendo na tragédia. Dentre elas, 19 atletas eram atletas do time de Santa Catarina. Apenas seis pessoas que estavam no avião da LaMia sobreviveram.

A contestação pode mudar até mesmo quem será apontado como culpado na tragédia.

Publicidade
Publicidade

A Colômbia alega que o departamento de investigação boliviano não tem a menor competência e autonomia para concluir ou divulgar qualquer parecer conclusivo sobre o que teria motivado a queda do aeronave, que aconteceu a apenas trinta e oito quilômetros do aeroporto. Esta queda aérea é considerada a pior de todos os tempos envolvendo o esporte, superando qualquer registro anterior.

Quem soltou o comunicado da Colômbia foi o diretor do Departamento de Aeronáutica, identificada como Alfredo Bocanegra. Ele diz que respeita a Bolívia, mas que o que está acontecendo é um ato indelicado, além de imprudente. A Colômbia, no entanto, também tem sido criticado em todo o mundo. Isso porque ela teria cometido diversos erros ao aceitar certos tipos de viagem. Na madrugada em que houve o acidente com os brasileiros, outra aeronave também sofreu um problema no ar.

Publicidade

O motivo foi o mesmo. A falta de combustível.

O piloto pode ser culpado

A Colômbia, no entanto, contesta essa conclusão chegada pela Bolívia. Caso a conclusão do país vizinho tenha importância na finalização do processo, um dos que pode ser culpado é o piloto é sócio da LaMia, Miguel Quiroga, que também faleceu na tragédia.