O #Crime de estupro sempre choca as pessoas, mas nesse caso a revolta foi ainda maior porque a vítima é uma #criança de apenas 9 anos de idade e que tem deficiência mental. O menino foi violentado, na última quinta-feira (15), por volta de 9 horas da noite. Ele mora em Ipiaú, cidade que fica a 368 quilômetros de Salvador. Quem estuprou o garoto foram dois adolescentes, de 13 anos, que o levaram para uma casa que ainda está sendo construída e praticaram os abusos.

O delegado Ivan Lessa, responsável pelo caso, disse que o menino chegou em sua casa dizendo que estava sentindo muitas dores e mãe dela perguntou onde eram as dores.

Publicidade
Publicidade

Quando o menino apontou o lugar, a mãe ficou chocada e logo quis saber o que tinha acontecido com ele. Enquanto o filho tentava descrever o que houve, a mãe notou que ele estava com sangramentos e imediatamente o levou para o Hospital Geral de Ipiaú. Chegando lá ele foi prontamente atendido e imediatamente a Polícia Militar foi acionada, assim como também o Conselho Tutelar.

Agora as investigações estão sendo feitas, porque chegou até o delegado a informação de que havia uma terceira pessoa e que ela seria maior de idade, só que nada foi confirmado até o momento. Os dois adolescentes que abusaram da criança com deficiência mental já foram identificados e conduzidos pelo Conselho Tutelar.

O Ministério Público receberá o caso e então será determinado se os dois adolescentes serão colocados em liberdade, ou se ficarão internados por pelo menos 3 anos na CASES - Comunidade de Atendimento Socioeducativo, que fica em Salvador.

Publicidade

A família do menino está revoltada, assim como a população da cidade, e acham um absurdo que ao menos seja cogitada a possibilidade de colocarem em liberdade os dois estupradores.

O delegado está preocupado ainda com outra questão, que é quando a segurança dos dois adolescentes que praticaram o abuso, pois caso eles sejam mesmo colocados em liberdade, poderão correr risco de serem agredidos por populares que estão revoltados com o caso. #Estupro