Um #Peixe da mesma espécie do bagre, voltou a assustar turistas nas praias do litoral de #São Paulo. Christian Borges dos Santos Martins, 40, estava tranquilo caminhando nas areias de Santos, quando sentiu uma dor terrível. Ele acabou pisando em um bagre e o peixe acabou ficando grudado em seu pé. O homem teve que passar por uma cirurgia para tirar os ferrões do peixe da sola de seus pés. É o décimo caso do ano registrado na região.

Christian disse que tudo aconteceu no domingo de natal. Ao pisar no peixe, um dos ferrões entrou no seu dedo do pé e chegou a ficar próximo do osso, ele tentou tirar, devido a insuportável dor, o que não é aconselhado pelos médicos.

Publicidade
Publicidade

Alguns banhistas vendo a cena correram para ajudá-lo.

De acordo com os médicos, tentar tirar o ferrão do peixe não é recomendado, devido o bagre possuir uma espécie de serra nos dentes. Se puxar pode rasgar a pele e proporcionar uma forte infecção.

Segundo a vítima, as pessoas ajudaram e foi bem rápido o socorro. Ele foi encaminhado para a Casa de Saúde de Santos. "Foi um presentão de natal que eu tive", brinca Christian.

Itanhaém

No dia 08 de janeiro, deste ano, a #Praia do Centro de Itanhaém, conhecida como "praião" também teve alguns acidentes como esse. Uma mulher foi atingida na barriga pelos ferrões. E no dia seguinte, uma jovem teve o cotovelo fincado por outro bagre, na região da Boca da Barra, também em Itanhaém.

Preocupação

Todos esses casos preocupam muito os moradores, mas o biólogo Alexandre Pires Marceniuk, não vê motivos para desespero.

Publicidade

Para o biólogo, os animais não costumam atacar as pessoas, o problema é que eles morrem nas areias e as pessoas pisam neles, o que acaba causando os acidentes.

Na região de Itanhaém, os ataques ocorrem com mais frequência perto do encontro do rio com o mar. Todos tem que ficar atentos onde pisam.

O biólogo alertou que a dor é muito forte e comparou com um anzol enfiado na pele, onde entra fácil, mas é difícil para sair. "Tem que correr ao médico e evitar de puxar o ferrão", disse Marceniuk.