Sua avó já dizia, existe lugar para certas coisas. Talvez essa frase ajude a explicar a polêmica que um vídeo está fazendo na internet. Publicado pelo site 'O Fuxico Gospel', as imagens mostram garotas menores de idade dançando um funk mega sensual em uma igreja evangélica. As imagens rapidamente se propagaram como pólvora no Youtube, atingindo incríveis 300 mil visualizações em pouco tempo. O site diz que o local é de uma igreja batista localizada no Nordeste, mas a denominação religiosa chegou a usar a internet para negar as informações. Por isso, não mencionaremos seu nome.

As meninas aparecem no salão que deveria receber cultos em nome de Deus e começam a fazer movimentos com o bumbum.

Publicidade
Publicidade

Usando bermudas jeans curtas, elas parecem muito a vontade com a situação, que para muitos é um desrespeito religioso. O vídeo é curto e exibe também alguns meninos, que nessas imagens não aparecem dançando, mas que fazem questão de assistir à coreografia. A polêmica não foi nem em torno da música, que é um ritmo que já sofre grande preconceito em todo o país, mas sim por conta da dança, vista como inapropriada para o local.

"Gente, isso deveria ser ensaiado em casa ou em um baile funk. Deixar crianças fazerem isso na escola ou em um igreja, como é o caso, chega a ser um ultraje à sociedade e aos ensinamentos tradicionais", disse um dos internautas, parecendo muito revoltado com a situação. Já outras pessoas enfatizaram que os pais dos menores não estavam se informando muito bem sobre eles.

Publicidade

"Acredito que eles mentem e dizem que vão para igreja rezar, mas na verdade, acabam ficando nessa pouca vergonha", sugeriu outro.

Certo mesmo é que o material ganhou a internet e provocou muita polêmica. Há quem chame até o movimento de diabólico, mas isso, convenhamos, é bem exagerado. O grupo de jovens acabou alcançando a fama devido ao gesto.

Veja abaixo o vídeo que mostra as fiéis dançando com roupas muito curtas em uma igreja. Não esqueça de deixar a sua opinião. Ela é sempre muito importante para todos nós.

#Religião