Nesta sexta-feira, 30, a polícia do Rio de Janeiro surpreendeu ao falar que a morte do embaixador da Grécia no Brasil, Kyriakos Amiridis, de cinquenta e nove anos, foi um crime passional. Ele teria flagrado sua mulher, que é brasileira, em um relacionamento extraconjugal com outro homem, um suposto policial militar. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados. Os investigadores encontraram manchas de sangue na casa onde o grego estava com sua companheira, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Ele foi assassinado na própria casa. Em seguida, o corpo foi levado para um veículo e fogo foi colocado nele. O cadáver do diplomata foi encontrado carbonizado na quinta-feira, 20.

O que se sabe é que o #Crime aconteceu entre terça e quarta-feira e que o corpo foi retirado do local às três da madrugada.

Publicidade
Publicidade

O relacionamento da brasileira era com um policial militar, que trabalha em uma UPP da região. Um terceiro homem chegou na manhã desta sexta algemado na delegacia. O jornal Extra, que reportou o caso, não divulgou qual é a relação dele com o crime, mas acredita-se que a brasileira possa ter contratado alguém para matar o próprio marido, após ele descobrir que ela tinha outro. A brasileira não está presa. A polícia agora analisará câmeras de segurança, na tentativa de achar imagens que deixem claro quem matou o grego.

Imagens que repercutiram no mundo inteiro

O sofá que estava cheio de sangue também será periciado. A única coisa que se sabe até o momento é que o motivo do crime é passional. O corpo do grego foi levado ao Instituto Médico Legal (IML), onde ele deve tentar ser identificado pela arcada dentária.

Publicidade

O leitor pode acompanhar algumas fortes do local do crime e do embaixador. Para algumas pessoas, essas imagens são ditas fortes. Por isso, fica o alerta.

Atualizado: a brasileira nega que tenha relação com o crime do marido. Ela diz que seu marido sumiu na segunda-feira e não soube explicar as marcas de sangue e o fato do corpo dele ter sido retirado da residência na quarta-feira. #Investigação Criminal