Na última sexta-feira (02), o usuário de drogas Renato Silva dos Santos, de 26 anos, foi detido por ter abusado sexualmente uma mulher, no Parque Ohara, na zona sul de Cuiabá. Além de estuprá-la ele vinha sendo procurado por tentar matá-la e roubar a vítima na ocasião. O #Crime aconteceu no final de novembro e Renato vinha sendo investigado desde então.

A mulher foi encontrada ainda no dia do crime em um matagal da região, ela estava desacordada, nua e coberta de ferimentos. A equipe de primeiros socorros atendeu a vítima que teve lesões graves, como uma incisão profunda na região lateral da cabeça, o maxilar e o nariz quebrados, um corte da grande na região da genitália, além de ter perdido totalmente a acuidade visual do olho direito.

Publicidade
Publicidade

De acordo com as investigações da Polícia Civil, a vítima conhecia o acusado que a teria seguido na saída de uma casa de lanches. No dia a mulher teria ido ao local para comprar cigarros quando o homem começou a ir atrás dela. Segundo os depoimentos ele ainda teria oferecido drogas a ela e ao recusar ele teria começado as agressões.

Durante a #Violência ele apertou o seu pescoço até que ela desmaiasse. Quando acordou já estava toda machucada no matagal, sem as roupas íntimas e com as vestimentas rasgadas. Após as agressões, o criminoso ainda roubou o telefone celular, os brincos e um colar da vítima. A mulher foi encontrada por transeuntes que passavam na região e escutaram os seus gemidos e acionaram o resgate. Ela recebeu vários pontos no rosto que ficou deformado pelas marcas da violência.

Publicidade

Renato vinha sendo procurado, e foi reconhecido de maneira bastante clara pela vítima. De acordo com o depoimento dado pela mulher, o homem seria um usuário de drogas relativamente conhecido na região onde a violência aconteceu. Ela relatou que teve muito medo e só acha que ele cessou os golpes porque teria pensando que ela já estava morta.

O homem tem uma ficha extensa na polícia, e agora responderá por estupro de vulnerável e tentativa de latrocínio. Para a delegada que cuida do caso, o assassinato só não foi consumado por que o criminoso não percebeu que a vítima ainda estava com vida. Roberto agora ficará detido em regime fechado e à disposição da justiça. #Casos de polícia