A tragédia com os jogadores do time da Chapecoense, que ocorreu no dia 29 de novembro, deixou muitas viúvas e órfãos. Ao todo, foram 71 mortes. Apenas seis pessoas estão entre os sobreviventes. Infelizmente, um dos mortos foi o lateral-esquerdo Dener Assunção. Ele estava com os colegas na aeronave da Lamia, que caiu a apenas 38 Km da cidade de Medellín, na Colômbia. A viúva do atleta do time de Santa Catarina, Amanda Braz, assim como outros parentes dos mortos, está tendo dificuldade de lidar com essa dor. Recentemente, ela usou uma rede social para falar o que estava sentindo. Através de sua conta no Instagram, ela contou o comportamento do filho do casal, de apenas dois anos.

Publicidade
Publicidade

De acordo com Amanda, o pequeno garoto perguntou pela primeira vez onde estava o seu pai e que não foi fácil para ela explicar que Dener havia falecido na tragédia da Colômbia. Como o garoto é muito pequeno, ele sente a saudade do pai, mas não entende muito bem o que aconteceu. “Então a temida pergunta veio. Mamãe e o papai?”, diz ela ao lembrar sobre como tudo aconteceu. De acordo com a viúva do atleta da #Chapecoense, ela está tendo que ser forte para sobreviver e lidar todos os questionamentos do menor de idade. Segundo Amanda, ela precisou respirar muito fundo e que naquele momento da pergunta ela sentia que o chão havia saído dos seus pés.

Amanda publicou uma foto de Dener com o filho e emocionou milhares de pessoas. Mesmo não sendo tão conhecida, ela teve 13 mil curtias na rede social de imagens, além de mais de 600 comentários, mostrando como a tragédia acabou mexendo com muita gente.

Publicidade

A viúva de Dener Assunção vem usando as redes sociais para tentar superar a morte do marido. Ela não é a única. Essa é uma maneira de dividir com os fãs do time de Santa Catarina as semanas posteriores à perda. A queda com o avião da Chape é considerada a pior tragédia na história do esporte. Nenhuma outra foi capaz de matar tantas pessoas de uma vez. Curiosamente, a queda do avião aconteceu em um ano de Olimpíada no Brasil.