Familiares de Yuri Lourenço da Silva, de 19 anos, filho da funkeira Tati Quebra Barraco, acusam a polícia de ter divulgado imagens do rapaz morto nas redes sociais. As supostas fotos estão sendo compartilhadas através de grupos no Facebook. Os amigos de Yuri dizem que foram os policiais que mataram o rapaz que tiraram as fotos e compartilharam. No entanto, não é possível saber ao certo quem fez os registros, já que as fotos mostram o filho de Tati morto na rua. Ou seja, até mesmo um morador poderia ter passado e com um celular ter feito a foto. Yuri foi morto na madrugada deste domingo, 11. De acordo com a polícia, ele estava armado e com drogas, quando tudo aconteceu.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o jornal Extra, o filho da funkeira já havia sido preso no passado. Em setembro de 2015, ele teria cometido o chamado "furto qualificado", quando se utiliza uma arma para conseguir o que se quer da vítima. A justiça condenou Yuri a mais de dois anos de prisão. Em oito meses, entretanto, ele conseguiu uma reversão da pena, podendo prestar serviços comunitários na comunidade onde morava, a cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. O rapaz foi morto pouco depois de uma da madruga, recebendo um tiro no rosto. Ele estava acompanhado de outro homem, que também morreu.

A polícia confirma a morte dos rapazes e diz que eles faziam parte do tráfico de drogas da região, estando armados no momento do ocorrido. Em uma publicação feita no Twitter, Tati disse que a polícia teria provocado nela uma cicatriz que jamais se curaria.

Publicidade

Mais tarde, já pelo Facebook, a cantora disse que estava tentando fazer o melhor pelos filhos e questionou onde teria errado. Ela estava em um show em uma cidade mineira, quando recebeu a notícia do falecimento. A família esperou a chegada da cantora para definir como seria a despedida do rapaz. O corpo dele estava pela manhã no Instituto Médico Legal (IML).

Nas redes sociais, o nome de Tati Quebra Barraco ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter. Internautas se dividiam entre apoio e críticas à funkeira. #Crime #Investigação Criminal