Um pastor, da Igreja Pentecostal Deus é Amor, está sendo acusado de ter um caso amoroso com uma das fiéis da sua Congregação. Gravações eróticas de conversas dele com a garota foram reveladas. Os áudios foram enviados através de um aplicativo telefônico, o WhatsApp. Após a revelação do conteúdo, o religioso foi suspenso de suas funções, ficando ainda longe de vários eventos da instituição. Ele virou um dos assuntos preferidos dos fiéis, que agora o julgam pelo pecado cometido. As gravações também viraram assunto nas redes sociais.

De acordo com o portal de notícias gospeis 'Rede Pentecostal', o religioso decidiu excluir seus perfis em redes sociais, após o caso ganhar a notoriedade da mídia.

Publicidade
Publicidade

O pastor não quer mais papo no Facebook e estaria envergonhado de seu nome está agora na rede de fofocas. Um canal no Youtube publicou as supostas conversas do religioso com a fiel. Não seria a primeira vez que o representante de Deus tem conversas íntimas reveladas. Em setembro, ele teria conversado com outra jovem, de nome Aline. Novamente, o conteúdo dos áudios é bem erótico.

O pastor diz que ensinará as práticas sexuais com as meninas. Após o primeiro áudio ganhar a mídia, o religioso chegou a gravar um vídeo solicitando desculpas. No entanto, aparentemente, ele voltou a cometer o mesmo erro. O conteúdo está fazendo os fiéis ficarem contra ele. "Perdeu completamente o meu respeito. Ele diz uma coisa e faz outra. Não dá para ver um homem que dá sermões, mas que é mais errado do que quem chama de pecadores", disse um internauta ao comentar o caso.

Publicidade

Houve também quem fizesse piada em torno do caso, falando que o religioso expulsaria os males de fiéis, especialmente as bonitas. Na web, casos polêmicos envolvendo igrejas também foram lembrados.

Ouça abaixo um trecho da conversa entre o religioso e sua amante:

Na sua opinião, a igreja deve tirar o status de pastor do religioso que se meteu nessa encrenca toda? Não esqueça de deixar o seu comentário. A sua opinião é muito importante para todos nós.

#Religião #Crime