Um homem de 25 anos foi preso na tarde deste último domingo (11) suspeito de ter estuprado a própria filha, uma garotinha de 4 anos. A denúncia foi feita à Polícia Civil pela mãe da menina, que ainda disse aos policiais que foi agredida pelo companheiro. O homem está negando todas as acusações, por isso uma investigação já teve início.

A mulher do suspeito disse à Polícia Civil que há cerca de 2 meses vinha observando sua filha e percebeu que ela estava se comportando de uma forma estranha. Nas últimas duas semanas, a menina intensificou ainda mais o jeito diferente de se comportar e ela logo desconfiou que ela poderia ter sido vítima de abuso sexual.

Publicidade
Publicidade

Ao suspeitar do marido, eles começaram a discutir e acabaram tendo uma briga feia e foi quando ele a agrediu.

Após ir à delegacia para registrar o boletim de ocorrência, os policiais prenderam o acusado, que agora encontra-se detido na 9ª Subdivisão Policial de Maringá. As acusações contra ele são de #Estupro de vulnerável e também de lesão corporal, mas o preso continua negando tudo.

Estupro de menina de 7 anos choca a Colômbia

Um outro caso de estupro chocou o povo colombiano. Rafael Uribe Noguera sequestrou uma menina de 7 anos. Ela foi estuprada e logo em seguida assassinada por ele. Todos os dias na Colômbia, ao menos 22 meninas são violentadas, mas esse foi um #Crime que realmente chamou a atenção de todos pela crueldade ao extremo.

Yuliana Andrea Samboni tinha apenas 7 anos e acabou entrando para a triste estatística colombiana.

Publicidade

A menina brincava na porta de sua casa, em um bairro muito pobre de Bogotá, quando o homem a agarrou e levou a garota. Rafael tem 38 anos e é arquiteto. Ele pertence a uma das mais tradicionais e ricas famílias de Bogotá.

Depois de estuprar e matar a menina, ele abandonou o corpo da criança em um luxuoso apartamento. De acordo com os investigadores, a causa da morte foi asfixia mecânica, sufocamento e estrangulamento. As investigações também comprovaram que a menina foi usada como objeto de abuso sexual. #Violência