Com o passar dos dias, e com reconhecimento dos corpos da tragédia do voo que transportava o time da #Chapecoense, novas histórias incríveis vem sendo descoberta. A História da colombiana Sisy Gabriela, de 29 anos, que morreu no acidente do voo da LaMia, nesta última segunda-feira (28), é uma delas.

A jovem que teria iniciado sua carreira profissional como modelo, e em seguida iniciou uma carreira promissora na televisão. Sisy abriu mão de tudo que já tinha conquistado para viver um sonho, pilotar uma aeronave, e seguir carreira como pilota de avião.

Em entrevista a um Jornal Boliviano a jovem falou que pilotar, é a mesma coisa que dirigir um carro, em que o corpo e a mente já sabem o que fazer, só é preciso aproveitar o passeio.

Publicidade
Publicidade

Essa entrevista foi publicada ano passado no El Deber.

A jovem boliviana fez o curso de voo nos Estados Unidos e teria retornado a Bolívia, para tentar um novo emprego, em alguma companhia aérea. Sisy Gabriela estava entre os 9 comissários que embarcaram no trágico voo. A moça está entre as vítimas fatais do #Acidente aéreo que vitimou o clube da Chapecoense.

Antes de a jovem mudar os planos e ir à busca de seu sonho, como comandante de voo, todos pensavam, e tudo indicava que ela seguiria uma tendência familiar. Pois seu pai e seus irmãos são apresentadores de televisão.

O pai da jovem Jorge Arias, é um conceituado apresentador, além de jornalista e também advogado. E os irmãos da moça Júnior e Carly que seguem a mesma carreira do pai e são apresentadores de programas em uma Tv boliviana.

Publicidade

Ainda na entrevista ao El Deber, quando questionada sobre as várias pressões pressão sofridas pelos pilotos, a ex-modelo respondeu que havia diferentes tipos de pressão, segundo ela, umas delas são as publicações de notícias em que as pessoas possam ver, e outro tipo de pressão e você carregar a vida 300 pessoas e a dor da família delas.

Ela ainda acrescenta informando, que toda vez que revisava um avião, antes do voo, que dava uma sensação inexplicável: “Às vezes você pensa que um motor pode falhar e que talvez seja a última vez que você está em solo”, ela finaliza dizendo, que logo a sensação ruim passa ao lembrar da sensação incrível de estar voando, de pode ir onde quiser.

O pai da jovem escreveu assim que soube da #Morte da filha, ““Te amo, te amei e sempre te amarei. Aqui não vai um adeus, mas você se adiantou um pouquinho”. Uma jovem cheia de sonhos, que teve a vida interrompida na maior tragédia aérea na história do futebol mundial.