No dia 29 de novembro, o Brasil e o mundo viram pasmos à uma tragédia aérea. Na região de Medellín, na Colômbia, um #avião da empresa boliviana LaMia caiu a apenas 38 Km do aeroporto. 71 pessoas faleceram e apenas seis estão entre os sobreviventes. As investigações a respeito do acidente que ocorreu há mais de quinze dias ainda continuam e devem demorar, no mínimo, um ano. No entanto, outro passo importante começa a ser dado, o das indenizações. Nesta quinta-feira, 15, o site da revista Veja publicou os valores que a empresa boliviana quer pagar às vítimas da tragédia da Chapecoense. O avião pilotado por Miguel Quiroga, sócio da LaMia, levava os jogadores brasileiros para a final da Copa Sul-Americana.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a Veja, a LaMia quer pagar para cada vítima a quantia de 165 mil dólares. Esses valores, convertidos para o real, chegam a 555 mil reais. A quantia é considerada baixa para tragédias aéreas, que costumam pagar indenizações milionárias. Os valores baixos, no entanto, já eram esperados, já que a LaMia é uma empresa pequena, que tinha apenas uma aeronave em operação e outras duas guardadas em um hangar. Além de pagar pouco para as vítimas, a empresa exige uma série de burocracias, como afirmou seu advogado, Nestor Higa, ao Convênio Internacional sobre Aviação Civil. Ele diz, por exemplo, que o atestado de óbito tem que estar em espanhol e ser entregue pelos familiares da vítima na região de Santa Cruz, na Bolívia, onde a empresa tem sede.

O custeamento da viagem por um representante direto do falecido não é esclarecido pela empresa, deixando em dúvidas se os familiares ainda teriam que gastar com passagens e hospedagem no país vizinho.

Publicidade

Esses trâmites costumam ser bastante demorados. Alguns processos contra empresas aéreas chegam a demorar mais de dez anos. No entanto, talvez não seja o caso deste, já que, como mencionamos anteriormente, a companhia boliviana não teria onde de tirar tanto dinheiro. A declaração de óbito das vítimas ainda precisa ser legalizada no consulado boliviano no Brasil. #Tragédia