Simone Machado Ponciano, de quarenta e quatro anos, está presa. O motivo para ela ter ido parar na cadeia é grave. Ela incentivava que sua filha de sete anos fosse abusada sexualmente por outros homens. Simone ainda torturava a criança, que está internada. Os homens que mantinham relações sexuais com a menor são de sua própria família, um avô de consideração e o próprio pai. Em entrevista ao portal de notícias R7, em matéria publicada nesta terça-feira, 27, Juliana Emerique, delegada que está à frente do caso, deu destaque à crueldade dessa mãe, um fato que não é tão comum.

Juliana, que representa a chamada DCAV (Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima), contou que a mãe fazia isso com a criança, pois queria ver ela sofrer.

Publicidade
Publicidade

Simone teria passado, na infância, por situação semelhante. No entanto, ao invés de não querer que tal mal acontecesse com outras pessoas, ela queria que a menina, que não teve o nome identificado, penasse em sessões de abuso sexual e pancadaria. Por conta da forma que era tratada pela família, a garotinha já está há quase um mês no hospital. Ela deu entrada na unidade no dia 5 de dezembro e mesmo depois de mais de vinte dias, não há qualquer previsão de alta.

Quem levou a menina para o hospital foi sua mãe. Ela chegou no local dizendo algo comum em famílias de crianças estupradas, que a garota havia caído. Os profissionais de saúde, acostumados a receberem todos os tipos de pacientes, notaram, no entanto, que aquelas lesões da criança não eram condizentes a quem caiu, mas sim de quem apanhou muito.

Publicidade

Para bater na criança, Simone utilizada vários objetos domésticos, como panela, cabo de vassoura e colher de pau, além de ter a mórbida característica de dar mordidas na menor de idade.

A maldade da mãe era tão grande que ela chegou até a usar um alicate na vagina da criança, machucando as partes íntimas da filha, que já tinham ferimentos devido aos estupros que sofria do pai e do avô.

Na sua opinião, o que deve ser feito com uma mulher dessas? Comente! #Crime