Uma senhora de 44 anos foi parar na cadeia, e o motivo pelo qual isso aconteceu é difícil de acreditar.

Simone Machado Ponciano torturava a própria filha e incentivava que a mesma fosse abusada sexualmente por dois homens. Além de machucar a menina fisicamente com diversos tipos de objetos de uso domésticos como cabo de vassoura, colher de pau e panela de aço. A mãe ainda usava um alicate para torturar a menina machucando sua parte genital que já era bastante agredida com os estupros que era submetida.

O que mais choca é que os dois homens que abusavam da menor eram da sua própria família, um avô de consideração e seu próprio pai.

Publicidade
Publicidade

A mãe ainda assume o #Crime e diz ter feito isso, pois queria ver a menina sofrer.

A delegada Juliana Emerique que representa a DCAV (Delegacia da #criança e do Adolescente Vítima), está acompanhando o caso e chamou a atenção para a crueldade com que essa mãe tratava sua filha, o que é bastante incomum. Simone, a mãe da menina, teria passado por algo semelhante na infância, mas ao invés de querer proteger, cuidar e não deixar que o mesmo acontecesse com sua filha, ela queria que a menina sentisse e passasse a mesma dor que passou quando criança com pancadas e agressões sexuais.

A garotinha foi levada pela própria mãe ao hospital com muitos ferimentos, alegando que a mesma havia caído e se machucado, que é muito comum acontecer quando crianças estupradas e agredidas são levadas até um atendimento médico.

Publicidade

No entanto, logo que a menina foi atendida pelos profissionais da saúde, que são acostumados a lidar com diversos casos, eles constataram que as lesões da menina não era de alguém que caiu, mas sim de alguém que apanhou bastante. Além de arranhões e muitos ferimentos, a menina apresentava até mesmo mordidas que provavelmente foram dadas pela própria mãe.

A criança deu entrada no hospital no dia 5 de dezembro com muitos ferimentos e mesmo depois de já terem se passado mais de 20 dias, não é possível saber quando a menina poderá ter alta médica e sair do hospital. #Abuso Sexual