O Exame Nacional do Ensino Médio (#ENEM), ainda acontece nessa semana. Quase 55 mil presos de todo o país realizam um terceiro modelo da prova. O primeiro dia aconteceu nessa terça-feira, 13, e nessa quarta-feira, 14, ocorrerá o segundo dia de provas mais a redação.

Com o resultado, os reclusos, em sua grande maioria, almejam obter o diploma do ensino médio, o restante quer uma bolsa de estudos pelo PROUNI ou SISU. De acordo com a previsão legal, o preso que estuda e/ou trabalha, tem abatimento de dias em sua pena total a ser cumprida.

O ENEM nos presídios, entretanto, pode não continuar no próximo ano. Para economizar recursos investidos na realização do exame, o Ministério da Educação divulgou, há algumas semanas, que a prova passará a ser paga para quem realizá-la pela terceira vez.

Publicidade
Publicidade

As formas de se obter isenção da taxa podem se tornar mais rígidas, o que deve diminuir e muito o número de inscritos, uma vez que muita gente se inscreve, mas não aparece em nenhum dos dois dias de prova. O aproveitamento da nota do exame para obter o diploma do ensino médio, que está retido por conta da reprovação em algumas matérias especificas, também deve deixar de existir já na próxima edição.

O que acontece se algum presidiário conseguir uma bolsa

Caso algum dos reclusos que fizer o exame, vier a ser aprovado em algum processo seletivo, este poderá comparecer às aulas, entretanto, será escoltado pela polícia, que permanecerá no estabelecimento de ensino aguardando o término da prova, salvo se ele conquistar o regime semiaberto ou aberto.

Por mais estranho que pareça para algumas pessoas, o número de presos matriculados em instituições de ensino é grande, sobretudo no sul e sudeste do país.

Publicidade

Seja por interesse próprio ou apenas com o objetivo de progredir de regime e ter o abatimento de dias em sua pena total, vários presos estão frequentando cursos técnicos e superiores, em sua maioria, de instituições públicas, em diferentes cidades brasileiras. Ainda que os números sejam elevados, a maior parte da população carcerária não quer saber de estudar.

A edição do ENEM 2016 teve três provas: a tradicional no começo de novembro, a destinado aos alunos que foram prejudicadas pelas ocupações de escolas nos dias 3 e 4 de dezembro e a destinada aos reclusos. #universidade #É Manchete!