Muitos crimes acabam tendo reviravoltas. Assim como em histórias de novelas e sérias, pessoas também crescem e nutrem raivas de outras que fizeram mal à elas. No entanto, alguns casos acabam chamando a atenção de toda a sociedade, como um #Crime que aconteceu na capital brasileira, Brasília. De acordo com o portal de notícias local, nesta terça-feira, 20, a Polícia Civil desvendou um crime que chocou a população local. Em outubro, próximo ao Lago Paranoá, um corpo foi encontrado dentro de uma mala. A imagem macabra e mórbida da vítima fez muita gente ficar com raiva de quem teria sido capaz de cometer tal ação.

Pois bem, o homem assassinado foi identificado como Ivonilson Menezes da Cunha.

Publicidade
Publicidade

Ele tinha trinta e nove anos, quando foi assassinado. Já o seu algoz é 19 anos mais novo. Aos 20 anos, Felipe Cirilo decidiu dar caso da vida de Ivonilson. Ele confessou o crime e deu detalhes de como tudo aconteceu. À Polícia Civil, Felipe disse que bateu muito no morto e o asfixiou até certeza que não respirava mais. Para garantir que algo estranho pudesse acontecer. Ele colocou o corpo da vítima dentro de uma mala, trancou o acessório e o jogou dentro do Lago Paranoá. A mala foi arremessada da Ponte Honestino Guimarães, que é próxima à uma região nobre da capital brasileira.

Detalhes de um crime

O assassino frio então contou o porquê matou o homem encontrado na mala. Dizendo não ter nenhum arrependimento, Felipe disse que foi abusado sexualmente por Ivonilson quando era menor de idade.

Publicidade

Ao saber que outro jovem estava sendo molestado pelo mesmo homem, ele decidiu agir. O menor ajudou Felipe no crime. Por ser menor de idade, seu nome não foi revelado. Antes de matar o suposto pedófilo, o assassino chegou a fazer uma queixa na polícia sobre o o criminoso. No entanto, ele não foi preso. Pelo contrário, passou a fazer ameaças à sua namorada. Com medo de que ela fosse morta, ele agiu primeiro e matou o homem.

A expectativa agora é que o molestado possa ficar entre 12 e 30 anos na cadeia em regime fechado. #Investigação Criminal