A presença do presidente do Brasil no velório coletivo em Chapecó era uma dúvidas, mas agora está decidido que Michel Temer não irá mais ao estádio, entretanto, o peemedebista irá até o aeroporto da cidade, onde participa de uma cerimônia militar e em seguida volta para Brasília. A Secom - Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, confirmou por meio da nota que Temer não vai mais ir ao velório.

Na manhã desta última quinta-feira, dia 1º de dezembro, a #Chapecoense chegou a divulgar que o presidente iria ao velório coletivo dos jogadores, vítimas do acidente aéreo na Colômbia. Acontece que há vários fatores que fizeram a ida de Temer ser cancelada, por exemplo, pode acontecer um movimento contra a presença do presidente e isso atrapalhar as homenagens aos atletas.

Publicidade
Publicidade

Tem ainda a questão da segurança, pois caso o presidente fosse ao estádio, seria preciso limitar o número de torcedores.

#Michel Temer ficará no aeroporto de Chapecó, Santa Catarina, para receber os corpos dos atletas e é quando irá acontecer a homenagem militar. O velório será realizado com a presença de 51 corpos, entre eles: jogadores, comissão técnica e também jornalistas, todos vítimas da #Tragédia que abalou não só o Brasil, mas o mundo inteiro.

No estádio Arena Condá está sendo esperada mais de 100 mil pessoas, além de um grande número de jornalistas que farão a cobertura ao vivo. Está sendo montada uma mega infraestrutura para fazer que o evento seja organizado e todos possam dar seu último adeus às vítimas.

A recepção dos corpos das vítimas está marcada para a manhã de sábado (03), no aeroporto da cidade.

Publicidade

Temer estará acompanhado da primeira-dama, Marcela Temer e entregará algumas medalhas, como forma de homenagear os "heróis do Brasil". O Palácio do Planalto chegou a pensar em levar o presidente até o estádio, mas descobriu que grupos de esquerda estavam se mobilizando para realizar um protesto.

Alguns assessores acham que o presidente nem deveria participar da cerimônia no aeroporto, evitando assim, qualquer possibilidade de uma manifestação acontecer.