Liderados por movimentos como o Vem Pra Rua e o Movimento Brasil Livre (MBL), milhares de pessoas foram às ruas de mais de 200 cidades do país neste domingo, dia 4, para protestar a favor da Operação #Lava Jato e contra o pacote anticorrupção recentemente aprovado na Câmara dos Deputados.

Similar às manifestações que pediram o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) no primeiro semestre, o protesto deste domingo teve como principal alvo o presidente do Senado, #Renan Calheiros (PMDB) e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), acusados de utilizar sua influência política para tentar barrar as ações da Lava Jato, operação da Polícia Federal que têm investigado e punido políticos e empresários suspeitos de participar em esquemas de desvio de verba pública.

Publicidade
Publicidade

A manifestação foi convocada na última quinta-feira, dia 1º, após a Câmara dos Deputados aprovar durante a madrugada o pacote anticorrupção, que visa coibir possíveis abusos de magistrados e procuradores. Realizada durante a noite seguinte à tragédia do acidente do avião da Chapecoense, na Colômbia, a estratégia política revoltou a população, que se dividiu entre o luto e a revolta com a classe política.

Protestos ocorrem nas principais cidades brasileiras

Como de praxe, a Avenida Paulista foi o local escolhido para a manifestação de São Paulo, que contou com a presença de figuras como a atriz Regina Duarte e o senador Ronaldo Caiado (DEM), entre outros. Além dos pedidos pela prisão de Renan Calheiros, que recentemente se tornou réu no Supremo Tribunal Federal pelo crime de peculato, os manifestantes também exibiram o já tradicional boneco do ex-presidente Lula retratado como presidiário.

Publicidade

Em meio a primeira grande crise de seu governo, o presidente Michel Temer também foi um dos principais alvos do protesto, que não atraiu grupos de esquerda responsáveis pela principal oposição ao ex-vice de Dilma Rousseff desde sua chegada ao cargo atual.

No Rio de Janeiro, os manifestantes se reuniram em Copacabana e exaltaram o juiz Sérgio Moro, responsável pela condução da Operação Lava Jato em Curitiba. Segundo organizadores e autoridades, o número de manifestantes variou entre 400 e 600 mil. Como em São Paulo, a capital fluminense também contou com alguns grupos que pediam a volta da ditadura militar.

Em Brasília, cerca de 5 mil pessoas se reuniram na Esplanada dos Ministérios. Com Renan como alvo principal, o protesto durou pouco graças à chuva que caiu na capital federal.

Belo Horizonte também foi outra capital com manifestação, onde manifestantes se reuniram na Praça Liberdade para protestar contra Calheiros, Maia e Fernando Pimentel (PT), governador de Minas Gerais. Segundo estimativa de autoridades, cerca de 5 mil pessoas comparecem ao local.

Publicidade

Berço da Lava Jato, Curitiba contou com aproximadamente 8 mil manifestantes, que se reuniram em frente ao prédio da Justiça Federal. Filho ilustre da cidade, Sérgio Moro foi muito exaltado, enquanto figuras como Calheiros, Temer e Lula foram os alvos principais dos manifestantes. Protestos significativos também foram registrados em capitais como Recife e Fortaleza, além de outras capitais e cidades de médio porte do Brasil. #Protestos no Brasil