Dezenove brasileiros são procurados pelo Itamaray. De acordo com informações do site da rádio CBN, em reportagem publicada neste domingo de Natal, 25, o grupo tentava entrar ilegalmente nos Estos Unidos. Os brasileiros são de duas famílias do Vale do Rio Doce. Eles saíram do Caribe para tentar a sorte na terra que a partir do ano que vem será governada por Donald Trump. O número de ocupantes da embarcação pode ser bem maior. Isso porque além dos 19 brasileiros estariam no barco cidadãos de Rondônia e do Pará. Não se sabe ainda as condições dessa embarcação. Esse tipo de travessia costuma ser muito precária e perigosa.

O Itamaraty diz que, por enquanto, apenas as duas famílias do Vale do Rio Doce acusaram o sumiço de seus familiares.

Publicidade
Publicidade

A embarcação tinha como destino final a cidade de Miami, conhecida por receber muitos brasileiros e latinos. Os brasileiros estão sem informações de seus familiares desde o dia 06 de novembro. No entanto, como eles estavam entrando ilegalmente no país, não poderiam pedir informações às autoridades do Brasil os dos Estados Unidos. Passados os dias calculados para a viagem, as famílias começaram a ficar preocupadas e decidiram procurar o Itamaraty, para que auxilia nas buscas.

Famílias angustiadas

Um dos sumidos é Renato Soares de Araújo. A irmã dele, de trinta e dois anos, Marciele, conversou com a CBN. Segundo ela, o irmão saiu de casa no dia 29 de outubro e tinha como objetivo ir atrás da mulher e do filho, de quatro anos, que já vivem no país. Ele já havia tentado uma travessia ilegal para o país, mas acabou ficando preso dois meses.

Publicidade

Na primeira tentativa, Renato tentou fazer a travessia pelo México. Desde então, ele vivia de bicos e juntava dinheiro para mais uma tentativa de encontrar a família. O Natal de Marciele, segundo ela, foi extremamente angustiante.

Além dos brasileiros de Minas Gerais, o contato com os "coiotes", que ajudam a fazer a travessia, também foi perdido. Isso somente aumenta o fato de que algo deu muito errado na viagem ilegal. #Polêmica