Um dos crimes mais comuns na nossa sociedade é o estupro.Todos os dias mulheres, crianças e adolescente são vítimas de crime e, em alguns casos, os próprios membros da família são os seus agressores. Pois bem, na semana passada, um individuo, se aproveitou de seu trabalho em transportar crianças para a escola, para praticar esse #Crime, mas ele foi preso pelas autoridades e agora vai responder pelos seus atos.

O meliante foi preso, na quinta-feira (8), acusado de ter abusado sexualmente de duas alunas, na cidade de Nova Mutum, cerca de 269 km de Cuiabá (MT). O sujeito foi identificado como sendo o motorista do ônibus escolar, de 45 anos.

Publicidade
Publicidade

As vítimas dos abusos são crianças de sete anos. O acusado nega todas as acusações. Conforme informações repassadas pelo delegado Luiz Felipe Leoni, titular da delegacia, como as duas vítimas eram as últimas a descer do ônibus ele se aproveitou da situação para cometer os abusos.

Segundo informações repassadas pela Polícia Civil da cidade, as duas garotinhas menores de idade estavam sendo violentadas sexualmente pelo individuo. Ainda, segundo a polícia, os abusos aconteceram no decorrer de 2016. Diante da situação, a polícia foi até a casa do criminoso, onde ele foi preso e levado por uma viatura da polícia até a delegacia da cidade. Já na delegacia ele prestou o seu depoimento e, negou ter estuprado as duas vítimas. O sujeito foi atuado pelo crime de estupro de vulnerável e encaminhado para a penitenciária de Nova Mutum, onde ficará à disposição da Justiça.

Publicidade

Segundo o delegado Luiz Felipe, o acusado trabalhava como motorista do ônibus e fazia o trajeto na zona rural, aproveitando-se dos momentos que ficava só com as meninas para violentá-las. Ainda, de acordo com o delegado, as vítimas contaram para os seus coleguinhas e para os seus professores que eram abusadas pelo acusado. Até que a direção da escola ficou sabendo e tomou as medidas necessárias.

A pena para estupro de vulnerável pode variar de 8 a 15 anos de cadeia. Se o acusado for condenado, ele pode pegar até 30 anos de cadeia sem fiança. A polícia da cidade abriu um inquérito e o caso está sendo investigado. #Investigação Criminal #Casos de polícia