Uma multa bilionária pode ser gerada pelo processo do Conselho Administrativo do Conselho Econômico (CADE), que investiga a atuação do #cartel das empreiteiras na construção dos estádios da #Copa do Mundo de 2014, realizada no #Brasil. A empreiteira Andrade Gutierrez denunciou um grupo de construtoras envolvidas no cartel.

Segundo depoimentos de pessoas ligadas a Andrade Gutierrez, que foram revelados no decorrer dessa semana, ocorreu um acordo entre as empresas: Andrade Gutierrez, Odebrecht, Camargo Corrêa, Carioca, OAS e Queiroz Galvão. As conversas teriam começado ainda em 2008, quando anunciado que o Brasil seria país sede da Copa do Mundo de 2014.

Publicidade
Publicidade

Os executivos das construtoras combinaram quem construiria cada obra, assim, as outras empresas fraudavam as licitações oferecendo propostas mais altas.

Na delação da Andrade Gutierrez, o cartel das empreiteiras atingiu ao todo 8 dos 12 estádios que foram construídos para a disputa da Copa, sendo eles: Maracanã, Mineirão, Arena Pernambuco, Arena Fonte Nova, Arena das Dunas, Castelão, Arena Amazônia e Mané Garrincha. Ainda segundo a delação, o plano foi bem-sucedido em alguns casos, mas em outros não.

Em caso de condenação, o processo do Conselho Administrativo do Conselho Econômico implicará em uma multa, que poderá variar entre 1% a 20% do faturamento das empreiteiras no ano anterior a abertura do processo.

Segundo levantamentos, as seis construtoras juntas tiveram, no ano de 2015, uma receita de R$ 78,5 bilhões.

Publicidade

Nesse caso, a multa mínima de 1% seria de R$ 785 milhões. Esse valor pode aumentar significativamente se o cálculo levar em consideração os danos ao dinheiro público.

Ainda segundo a AG, foram mais de 20 encontros entre os executivos das construtoras para discutir sobre a construção das arenas.

Os estádios construídos para a Copa do Mundo tiveram o seu preço triplicado se comparado ao orçamento inicial que a CBF enviou para a FIFA em 2007. O principal causador da elevação dos preços das arenas foi o cartel das empreiteiras. Ao todo, o governo brasileiro gastou R$ 8,4 bilhões para construir as arenas.