Nessa semana, um crime acabou mexendo com o Paraná. Um homem de trinta e oito anos, que não teve o nome identificado, acabou abusando sexualmente da própria filha. A menina, de apenas vinte e nove dias de idade, acabou sendo estuprada por quem deveria lhe proteger no município de Grarapuava. O Homem acabou sendo preso em flagrante, já que ele decidiu levar o bebê para um hospital local. Os médicos, percebendo que o bebê tinha graves ferimentos nas partes íntimas, decidiram chamar os policiais. Até eles se assustaram ao ver o estado da criança, que tinha as partes íntimas praticamente rompidas.

Publicidade

Ele acabou confessando o crime.

Publicidade

A menina, infelizmente, não resistiu aos ferimentos. O corpo da menina foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) da região. A entidade confirmou que a menina realmente tinha sofrido o estupro. Não demorou muito para que o abusador fosse descoberto, afinal, o bebê era cuidado pelo pai. O homem que teve a coragem de fazer um ato tão cruel com a filhinha já tinha passagem pela polícia. No passado, ele já havia sido preso por abusar sexualmente de outra menina, de apenas onze anos. O #Crime aconteceu na cidade de Prudentópolis. Além do crime de pedofilia, o criminoso também teria feito o mesmo com uma mulher adulto. Outro crime cometido pelo pai do bebê morto é o de homicídio, tipificado como doloso, ou seja, quando o objetivo é realmente matar.

Ninguém soube explicar, no entanto, como alguém com uma ficha tão longa acabou sendo liberado para continuar a viver em sociedade. Infelizmente, esse não é o primeiro, nem o último crime de estupro que envolvem familiares de vítimas.

Publicidade

Nessa semana, um caso chocou o país. Em pleno Natal, um jovem, de dezessete anos, estuprou a irmã, de oito, no quintal da família. Em depoimento à polícia, ele negou o crime, mas um policial flagrou tudo através de fotos, que acabaram vazando na internet. O jovem disse que queria dar uma lição na irmã.

Que tipo de pena, na sua opinião, deveria ser cumprida por quem estupra uma criança? Comente. #Investigação Criminal