Um homem foi preso pela polícia em flagrante, na quinta-feira 22 de dezembro, na cidade de Guarapuava, no estado do Paraná (PR). O acusado foi identificado como Ari Moreira, de 38 anos, ele é o principal suspeito de ter violentado sexualmente a própria filha, de apenas 29 dias, que acabou morrendo devido aos ferimentos. Segundo informações repassadas pela polícia, na quarta-feira (21), o acusado teria levado a vítima ainda com vida numa unidade hospitalar da cidade.

No entanto, ao ser examinada, os profissionais constataram que a vítima apresentava graves lesões em sua genitália. De imediato, acionaram a polícia para comparecer na unidade médica.

Publicidade
Publicidade

A criança ficou internada no hospital, mas na manhã de quinta-feira, devido à gravidade dos ferimentos, e se tratando de um bebê com poucos dias de vida, não resistiu e morreu. Conforme informações da Delegacia de Guarapuava, os exames realizados pelo Instituto Médico Legal (IML) da cidade comprovaram que a vítima foi violentada sexualmente pelo criminoso.

Diante da situação, o suspeito foi preso em flagrante em seguida, o mesmo foi levado para a delegacia da cidade. Já na delegacia, ele prestou o seu depoimento, em seguida ele foi autuado em flagrante pelo #Crime de estupro de vulnerável, onde a pena pode variar de 8 a 15 anos de cadeia sem fiança. Após o seu depoimento, o mesmo foi encaminhado para uma penitenciária de Guarapuava, onde ficará à disposição da Justiça. No entanto, ao fazer um busca no banco de dados da polícia, foi constatado que o acusado já tinha passagem pela polícia pelo mesmo crime de estupro, praticado contra uma criança de 11 anos, na cidade de Prudentópolis, também no Paraná.

Ainda, de acordo com informações dos bancos de dados da polícia, constatou que o suspeito tinha ainda antecedentes por crime de homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Publicidade

Como o criminoso ainda tem duas crianças, que são suas enteadas, a polícia vai investigar para saber se as mesmas eram violentadas sexualmente pelo acusado. O caso segue sendo investigado. #Investigação Criminal #Casos de polícia